Sandro Moreyra, um autor à procura de um personagem

Sandro Moreyra, um autor à procura de um personagem
À venda no buscapé em 16 livrarias e em diversas livrarias ao vivo (Clique na imagem acima)

Livro do Senta

Livro do Senta
Clique na imagem e encomende o seu

terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

"Pouco futebol, muito sofrimento" (Carlos Eduardo Novaes, exclusivo para o Blog do PC)

Mestre Carlos Eduardo Novaes ficou p da vida com a atuação do Botafogo contra o modesto Duque de Caxias e mandou mais um presente para os sócios do Blog.

"É por essas e por outras (partidas) que o torcedor ganhou o epíteto de “sofredor”. Fala sério: havia necessidade de tanto sofrimento jogando contra o lanterna do Campeonato Carioca com o time titular de categóricas vitórias sobre o Deportivo Quito e o San Lorenzo do Papa?

É verdade que cada jogo tem sua história e como o futebol não é uma ciência exata alguns resultados atropelam a lógica dos números. Mas, por favor, não atribuam a qualquer fator extra-campo as imensas dificuldades que o Botafogo encontrou para derrotar o Duque de Caxias nos últimos minutos.

Algum torcedor que se desse ao trabalho de contar a quantidade de passes errados dos jogadores do Botafogo e depois dividisse pelo tempo de partida, chegaria à conclusão que estivemos próximos a um recorde mundial. O gol do Duque de Caxias representou a síntese de tais desacertos, a começar pelo drible infantil que Dankler levou até o bate-cabeça na pequena área que resultou no gol contra de Dória.

Toda vez que um time grande encontra dificuldades diante de um pequeno a desculpa é sempre a mesma: “o adversário jogou fechadinho na defesa”. Pode até ser verdade de vez em quando, mas trata-se de uma tática tão antiga e manjada que os grandes já deveriam saber de cór como superá-la. No meu modesto entender a primeira coisa a fazer é o grande se aproveitar do “medo” do pequeno e botar o time para frente.

Não foi exatamente o que fez o Botafogo que entrou em campo como se fosse jogar com o San Lorenzo. Para que escalar dois volantes duros – Gabriel e Marcelo Mattos – que não chegam ao ataque e quando chegam não sabem chutar a gol para enfrentar o lanterna? Por que empurrar o Wallyson – quase não o vi – para as laterais do campo deixando o Ferreyra sozinho entre cinco defensores, recebendo intermináveis cruzamentos como nos tempos do Abreu? Por que substituir o Lodeiro por um lateral? Se cada jogo tem sua história, a história desse jogo certamente não traria tanto sofrimento ao torcedor caso o técnico do Botafogo tivesse escalado um time mais agressivo. No final restou a constatação de que o argentino Bolatti tem vaga nesse time.


P.S. na crônica anterior a explicação para a ausência do Elias só apareceu depois que meu texto estava escrito e publicado. " 

13 comentários:

Eduardo Freitas disse...

Fica difícil discordar de texto tão preciso na análise daquele jogo (a não ser que vc seja menguiteiro, claro!). Do meu ponto de vista os erros apontados pelo Novaes, confirmados por qualquer um que assistiu a partida, são exclusivos de um treinador que esta debutando e que, para o nosso azar, o faz justamente no nosso Botafogo. O medo de perder/errar, tão comum em início de carreira, começa a aparecer em momentos como esses onde o fracasso se torna injustificável (dada a fragilidade do adversário). O preço maior dessa escolha da diretoria certamente será cobrado, com muito pesar, numa fase mais aguda da Libertadores. Que o "Niltão" nos ajude lá de cima...

Mario_av disse...

Que ao menos fique a lição.

Pablo disse...

Discordo do Eduardo Freitas e vou mais adiante. Diretoria e torcida não podem entrar na onda que a Globo vai criar essa semana para forçar a escalação dos titulares no domingo contra o FluminenC.

O time claramente, e acertadamente, se poupou contra o Caxias. Não podemos cair na armadilha de valorizar o estadual esvaziado da Globo em plena disputa da desgastante Libertadores. Vejam que o time da Globo se arrastou em campo contra o Taiti da Gama após a viagem pela Libertadores. Sem o esquema de apito, não teriam vencido.

Por fim, vejam o que ocorreu com o Rever no Galo. Alguém aí quer arriscar machucar o Bolivar, o Doria, o Jefferson, o Lodeiro, o Wallyson, etc...num jogo contra o Bacaxá em Moça Bonita?

Ora, me poupem.

Abs
Pablo

Pablo disse...

PC, uma raposa tricolor felpuda da diretoria da Unimed contou para a prima do cunhado da sogra do dentista do Senado que o Celso Barros prometeu tirar o Doria do Botafogo assim que for reeleito no próximo dia 25.

O mecenas do FluminenC já acertou pagar mais do que a multa rescisória do craque do Botafogo. Os empresários do Doria estão nesse momento pressionando o garoto que não quer trocar o Botafogo pelo FluminenC, preferindo sair para o exterior após a Libertadores.

Há testemunhas.

Abs
Pablo

pc guimarães disse...

Não me surpreende. Não é de hoje que vivem de olho nas coisas do Botafogo. Ainda mais sendo o Dória um careca grande.

jrcairo disse...

Eu avisei....
Tai o Marcos Paret que nao me deixa mentir...
http://globoesporte.globo.com/outros-esportes/noticia/2014/02/astro-das-nfl-ganham-camisas-do-flamengo-e-posam-com-tacas-do-time.html

Marcos Paret disse...

Huummm.


De olho nas coisas é?

kkkk.

Já até cruzei as duas mãos aqui na frente.... kkk. Nas minhas não!

______________________

S sério - o Dória iria sair de qualquer jeito, senão não iriam contrtar do exterior o Mário Risso.

Que vá para os laranjais floridos e perfumados a talquinho. Já viram como, de um time sem ataque, temos agora pelo menos 2 aptos a matarem jogadas de área e um terceiro goleador que atua dos lados do campo para a área (Wallyson)?

Deixem.

Não ligo mesmo. Podem levar. Vamos de Mario Risso e Bolívar.

FOGO F disse...

Tirar Dória do Botafogo?
Esse Celso Barros deveria estar preocupado com os péssimos serviços da UNIMED, número 1 em reclamações no PROCOM. Ele deveria estar pensando em melhorar serviços médicos e hospitalares, implementando inovações e fomentando pesquisas médicas.
Se o dinheiro da UNIMED e o tempo dele são gastos para montar time, comprar jogadores e administrar clubes, sem que isso seja um escândalo nacional, é porque a saúde e a ética estão falidos neste país.

Mas não devemos nos surpreender uma vez que ele vem de uma classe que acha que a saúde é um comercio para se enriquecer e que, entre outras coisas, é contra o atendimento da população carente por médicos estrangeiros e absolve médicos condenados por tráfico de órgãos, com ocorreu a pouco em MG.

Pablo disse...

Alguém saberia dizer por que a Globo antecipou o Fla-Flu para sábado e não fez o mesmo com Botafogo x FluminenC?

O motivo alegado para antecipar o Fla-Flu foi o fato de o time da Globo jogar fora do país na quarta-feira seguinte...

É o tal negócio, a Globo faz de tudo para favorecer o time dela e prejudicar o Botafogo.

Ou então, qual é o motivo de não antecipar o jogo desse domingo para sábado?

Abs
Pablo

Marcos Paret disse...

jrcairo

Avisou o que meu amigo?

Botafogo - marca histórica, é procurado pelo seu DNA.


menguitinho - marca de povo (tipo sabonete barato no aniversário do Guanabara) - a emissora não deixa nada passar pelo país sem tentar um contato com a camisa mais oferecida do mundo (duvido que em uma semana um americano saiba de onde veio aquele pano horrendo).

FOGO F disse...

Não acreditem em tudo que leem.
No post acima quis dizer: "...como ocorreu há pouco em MG", e não "com ocorreu a pouco em MG".
E o que ocorreu não é pouca coisa.

jrcairo disse...

@ Marcos Paret
https://www.blogger.com/comment.g?blogID=7438019987256447922&postID=7413472609923154996&isPopup=true

NFL visita o Botafogo, noticia somente no site do Botafogo,
NFL visita aquele esgoto, na pagina principal de esportes dos (ex) amigos dos militares...

Marcos Paret disse...

jr.

As novelas da emissora que manda vão de mal a pior.

T O D A S.


A das 5 - aquela gente dourada da malhação

A das 6 - uma trama repetida à exaustão

A das 7 - uma tentativa de um Lost tupiniquim risível


A das 9 - piiffffff. Tem mãe que na real, parece filha daquela de quem é avó.


E A DAS DEZ - Para parar de tomar sacode, colocaram um deficiente visual para conferir uma bola no gol.


Pano rápido.