Sandro Moreyra, um autor à procura de um personagem

Sandro Moreyra, um autor à procura de um personagem
À venda no buscapé em 16 livrarias e em diversas livrarias ao vivo (Clique na imagem acima)

Livro do Senta

Livro do Senta
Clique na imagem e encomende o seu

terça-feira, 2 de dezembro de 2014

"Nada no Flamengo é lícito, muito menos a vitória", escreveu José Louzeiro

O papo está rolando por aí e até agora ninguém tinha mostrado o pau (calma, tricolores). Como todos sabem que sou um cara letrado e que só escreve quando tem a fonte confirmada, fui checar. Tenho e li o livro do José Louzeiro. E ele realmente escreveu que o Framengo é isso aí. Se foi ou não Nelson Rodrigues quem disse passa a não importar tanto. O que importa é que é mais um a confirmar que o Framengo é assim. Nada no Framengo é lícito.

Abaixo direto da minha coleção e com o prospecto do Senta pra comprovar a veracidade. Embora não precise.

Que venham as desculpas.



19 comentários:

Marcos Paret disse...

Pois é PC mas sabe como é né?

Mandou pau no framengo, é jornalistazinho e desimportante.


Quem sabia das coisas eram..

-Otelo Caçador
-Bussunda
-Lacraia


e por aí vai!

______________________


Respostas rotineiras para comentários como este..


"...Paret, Bussunda foi um grande ........ e tinha mais não sei o que do que o Botafogo......"


São risíveis, previsíveis como formigas ao açúcar, repetitivos e com uma marra que só se justifica pela necessidade da mídia em lhes bajular.

MARCO CAMEJO disse...

Tá, beleza....Mas?????




E daí?????

Cristian Hofman disse...

Mais um lunático desconhecido tentando fazer fama (sic) em cima do clube mais popular do país.

SRN SEMPRE!!!

Frederico disse...

Marco Paret,você citou sim, e ao contrário do que deixou implícito eu não fiz M... nenhuma, nem li apressadamente.

O que você fez, denomina-se em Metodologia Científica de "citação indireta", ou seja, quando se utiliza alguém para atingir o escrito original, normalmente a citação indireta é realçada pela expressão latina apud, ou seja, apud Pablo.

Na citação direta o escritor cita diretamente o original.

Não quero prolongar essa bobagem, nunca contestei uma linha do que escreves sobre o Flamengo,deixo a tarefa ao Camejo que o faz com eficácia e precisão. Mas agora a imputação é pessoal, e você está errado, pois, reafirmo, citou sim.

Frederico disse...

Caríssimo Guima, grande jornalista,escritor e amigo, discordo quando escreve que não importa quem escreveu. A palavra carrega em si uma força simbólica gigantesca; não importa apenas o dito, mas, sobretudo, o "por quem foi dito". A diferença entre o peso de uma assertiva de José Louzeiro e outra de Nelson Rodrigues é abissal.

O livro conta reminiscências da redação de "última Hora", na época sob a propriedade de Samuel Weiner, Nelson deixou o referido jornal em 67, o mascote citado foi adotado inicialmente pela torcida do Fla no dia primeiro de junho de 1969, quando um urubu foi solto por dois amigos antes da vitória do Flamengo por 2 a 1 contra o Botafogo,quebrando longo jejum, até então era um epíteto racista utilizada pela torcida alvinegra.

Cabe lembrar que o mascote só foi definitivamente aceito a partir do início da década de setenta, quando Nelson trabalhava no Correio da Manhã, que foi empastelado pela ditadura e fechou em 1974, além de participar, na Globo da Mesa Facit.

Essa, entre várias outras constatações me levam a ter certeza de que a frase não é de Rodrigues. Na verdade só de bater os olhos e ver as escolhas lexicais e o conjunto semântico do texto já afastaram para mim qualquer possibilidade neste sentido.

Um grande abraço e obrigado pela atenção.

Frederico disse...

Este livro é o recordar alegre e despretensioso dos tempos em que o escritor e jornalista José Louzeiro enfrentou o dia-a-dia nas redações no Rio de Janeiro e em São Paulo. Ao contrário de amargurar-se, diante da natureza que é a vida de um repórter de polícia - função que desempenhou por mais de 20 anos -, aprendeu a ser tolerante e a encarar as dificuldades com bom humor. Por isso conseguiu resgatar fatos que, normalmente, passariam despercebidos. Neste livro, muitas lembranças estão registradas. Entre os personagens mencionados pelo autor, um deles ganha destaque, Nelson Rodrigues que, segundo José Louzeiro, utilizava a redação da Última Hora de Samuel Wainer como sendo o palco de seus monólogos e de suas revelações mais íntimas."

Essa é a sinopse do livro apresentada pela própria editora, a Saraiva, vejam que faz menção ao Jornal "Última Hora", o que vai em desacordo com a citação inicial ao urubu.

Quando o assunto é futebol, tudo bem, fale-se o que quiser, afinal é paixão, envolve perda dos sentidos e outras coisas mais rsrsrs. mas fiz questão de escrever tudo isso para demonstrar (êta termo positivista sô!)que não foi Nelson quem disse isso e resgatar a verdade histórica. Dizer que um clube é sujo ou limpo; grande ou pequeno; vencedor ou derrotado, é algo que surge do ardor do torcedor apaixonado, das mais profundas e insensatas semioses clubísticas. Já uma frase de Nelson, essa deve ser estudada comcuidado. Provavelmente Louzeiro, no afã de criar um clima forte e favorável aos seus escritos cometeu o pecado de colocar na boca de Nelson o que ele jamais disse. Já Louzeiro,como vascaíno é bem capaz de pensar isso mesmo...

Marcos Paret disse...

Sempre com aquele meu antigo 'sorry mulambada e assemelhados!', é muito bom ver abrirem bloco no JN para dizer, ao iniciarem a lista dos melhores do ano..


JEEEFFERSON DO BOOOOTAAFOOGOOOO.


Nós caímos para a segunda divisão duas vezes.

O Grêmio também
O Palmeiras também
O Vasco também

Tem time aí que, acredito, não cai tão cedo mas pode sim cair da forma mais insólita possível - basta lhe tirarem o cobertor.


Ah! Se cair com o cobertor, a zoação aqui vai ser em escala geométrica. Prometo!

Thomas Beta disse...


Como é que é?

Então o PC foi 'checar' suas fontes e 'descobriu' que tinha o livro e que já o havia lido?

E só não sabe ao certo quem escreveu o trecho citado?

Não me levem a mal mas vcs botafoguenses são realmente muito estranhos.

Ano que vem, se fizerem uma caravana para assistir ao Botinha em Varginha/MG, certamente serão os visitantes mais estranhos já recebidos na simpática cidade.

SRN

pc guimarães disse...

José Louzeiro desconhecido!!! Tá feia a coisa.

Caju disse...

Vixi...Acusaram o golpe mesmo....

Com a Limeirinha mais humilhada que mulher de malandro, nosso blogueiro gastrônomico e sua tropa de choque vestem agora a síndrome Struthio camelus...Hehehehehe

Tá feia a coisa hein....Hehehehe

Mas continuem nos prestigiando,e enquanto isso o "Gigante das Américas"(como é que é mesmo?!!kkkk) continuará se encolhendo....Hehehehehe;

Senta no ônibus e rumo a Varginha...Com Jefferson e o cracudo Jóbson....rsrsrsrs

SRN!!!

Caju disse...

Putz...Tá apelando até para os amigos!?!? Pensei que ele fosse algo como "Ruy Castro"...Hehehehe


Senta rumo a São Luís....Hehehehe

SRN!

Marcos Paret disse...

Frederico.

Metodologias científicas são realmente "muito usadas" em arquibancadas (mormente nas eletrônicas, as usualmente em voga de 5/7 anos para cá).

Quando eu for também discutir futebol nos bares/restaurantes, procurarei levar alguns compêndios rebocados numa biblioteca improvisada na caçamba de uma Fiorino, a fim de "não me perder" em embates com iludidos e enganados pelas mídias (pelos Arnaldos da vida, para ficar em um mais atual).

___________________________

Ora ora! Não me faltava mais nada.


....................

Uma explanação rápida mas necessária.

Saltando (mais alto que a delicinha da Murer) sobre tanta erudição, digo logo que considero o flamenguista Mário Filho uma quase lenda do nosso jornalismo, Nelson Rodrigues um dos nossos maiores intelectuais, e não vou citar os verdadeiros poetas pois não me sinto capaz sequer de analisar-lhes uma linha mas aviso:

não me debruço sobre nenhum deles a fim de prestar-lhes mais reverência do que a acima mencionada, ou seja, não leio nada do que escreveram (praticamente nada - citei Mário Filho no meu blog).

Fui um jovem tímido para os anos 80, que aproveitou a vida a contento na medida que a personalidade permitia, mas, contestador de tudo o que era aceito de maneira midiática, principalmente pela burguesia com mania de manipuladora da opinião geral (disse, para quem quisesse ouvir, que um tal barbudo que surgira em 79 como ídolo, podia enganar a quem quisesse mas não a mim, com companheiros de sobrenomes quatrocentões) e só tive um único ídolo nas letras, no pensamento e nas atitudes:

Tarso de Castro.

Menos pelo fator 'bebida' já que prezo igualmente a saúde e a vida, este foi o cara que eu queria ter sido.


(Ah galera! Claro, John Lennon, Queen, CCR, um distante e já saudoso Elvis - a idolatria acima citada refere-se ao campo das idéias).


Para mim - baboseira inútil (para o mote do blog) encerrada.

Cristian Hofman disse...

A frase do ano:

"...A única diferença era que o Chaves tinha muito mais fãs que o Botafogo"

Mata-me de rir!!!!

Nada, absolutamente nada pode ser menor que o faísca.

SRN SEMPRE!!!

Péricles disse...

"Para qualquer um, a camisa vale tanto quanto uma gravata. Não para o Flamengo. Para o Flamengo a camisa é tudo. Já tem acontecido várias vezes o seguinte:- quando o time não dá nada, a camisa é içada, desfraldada, por invisíveis mãos. Adversários, juízes, bandeirinhas, tremem, então, intimidados, acovardados, batidos. Há de chegar talvez o dia em que o Flamengo não precisará de jogadores, nem de técnicos, nem de nada. Bastará à camisa, aberta no arco. E diante do furor impotente do adversário, a camisa rubro-negra será uma bastilha inexpugnável."

Nelson Rodrigues, para o jornal"Manchete Esportiva" em 1955, quando o Flamengo completou 60 anos. Adiciono 1 link onde vcs verão o grande Nelson ao lado de Zico vestindo o Manto Sagrado n° 2:

http://globoesporte.globo.com/platb/marvio-dos-anjos/category/nelson-rodrigues/

É INCRÍVEL que ninguém aqui conheça esta crônica...

Anônimo disse...

Pode sim, Cristian.
A inteligencia rubronegra.

SA

Frederico disse...

Caro Péricles, conheço bem essa crônica, e várias outras de Nelson sobre o Flamengo, sempre marcadas pelo seu propositalmente medido "ufanismo hiperbólico". Depois do Fluminense, talvez até tanto quanto, o Flamengo foi o clube ao qual nosso maior dramaturgo e polígrafo mais rendeu homenagens.

Por essas, e muitas outras, não acredito que tenha disparado qualquer tipo de grave intempérie contra o Flamengo.

SRN

Marcos Paret disse...

"....Anônimo Anônimo disse...
Pode sim, Cristian.
A inteligencia rubronegra.

SA....."


Não adianda caro amigo.


Ele não entende e volta com um comentário ao estilo Kiko (para continuar na linha do Chaves).

MARCO CAMEJO disse...

Péricles,


O que você fez meu amigo??

Poxa cara, eu adverti...eu disse....


Cara, você acabou de matar Nelson Rodriguez.

Ele, que até pouco estava sendo reverenciado pelos frajolas foguenses , agora será execrado...

Você ainda não entendeu, meu amigo, que aqui só é gente de bem quem fala mal do flamengo!!!

FOGO F disse...

José Louzeiro, repórter criminal de enorme experiência, entende de flamengo e sabe o que diz.