Sandro Moreyra, um autor à procura de um personagem

Sandro Moreyra, um autor à procura de um personagem
À venda no buscapé em 16 livrarias e em diversas livrarias ao vivo (Clique na imagem acima)

Livro do Senta

Livro do Senta
Clique na imagem e encomende o seu

terça-feira, 26 de novembro de 2013

Paulinho Criciúma e a opinião de Seedorf sobre Ganso

Esse é ídolo eterno. Vejam o que  Paulinho Criciúma escreveu sobre Ganso em 2011 e agora há pouco postou no facebook. Vale refletir.

"Diante da grande repercussão das declarações (acertadas) do SEEDORF no programa "BEM AMIGOS" que Paulo Henrique "GANSO" não jogaria na Europa com o futebol que joga, achei por bem postar aqui um texto que escrevi em 2011 e postei novamente em 2013 conforme data abaixo.

É a "minha" opinião. Ganso, Paulo Henrique.... Este jogador ex-craque, ex-Santos.. Atual reserva do São Paulo... Ou tenho enxergado muito pouco mas tão pouco Que procuro nele atentamente com olhos de águia o craque que dizem ser, Mas que não encontrei ainda nada que justifique tanto clamor a seu favor, ou Estão vendo ou inventando talento onde não há? E essa quase unanimidade que não vejo motivos, Pode esconder uma mentira, mesmo que grande e jovem.. Mas uma mentira grande e jovem também pode existir! O que tanto dizem existir de talento acima dos montes Pode estar sendo apenas uma proteção ao atleta Pelo gosto duvidoso de muitos, exagerado e midiático. Ganso é igual a um comum porque é comum... Não corre, apenas anda ou trota em campo, Ganso não tem velocidade E sem velocidade no futebol dito moderno de hoje como jogar? Paulo Henrique não tem explosão 

Não marca mesmo que sua função maior não seja essa... Como jogar? É muito pouco para um ex-camisa 10 de seleção brasileira, E menos ainda para ter sido cobiçado pelos melhores clubes do mundo como tantos gritaram aos quatros mares. Mas os clubes europeus sumiram Porque observaram intensamente, Analisaram e constataram que Paulo Henrique jamais jogaria na Europa em um país com futebol de ponta! Dominar e passar a bola é o mínimo que um jogador profissional deve fazer E isso Paulo Henrique faz muito bem....

Mas é pouco! É lento, não se entrega, tão desligado muitas vezes Que desaparece de campo quando muitos nem o percebem que ali está. Se ausenta quando precisa do choque, do corpo, do mental e o mental de Paulo Henrique beira a nulidade! Ganso, (não gosto de apelidos) precisaria de muito mais para jogar na Europa, Precisa querer mais, vibrar mais, se impor como diferente e provar jogando.... Não será fácil para não dizer impossível! Mas com esse descompromisso com o jogo nos 90 minutos, Se assistindo em campo como ator medíocre que se assiste antes da cena pouco alcançará! Suas lesões não são motivos para justificativas paternalistas e frágeis para absolvê-lo.

Sua trajetória fez o preço de Paulo Henrique a baixar de 40 milhões de euros propagados ontem Para 10 milhões de dólares, preço que o São Paulo pagou, talvez hoje arrependido! Paulo Henrique precisa de orientação, fora de campo! "Ganso" está naufragando nas paisagens que á ele puseram como habitat natural e inigualável. Paulo Henrique Ganso não é um 10 vertical Mas um 8 deitado, jogando horizontalmente num espaço morto Não é marginal que destroça o sistema defensivo adversário com o talento do diferenciado Onde pouco se decide mesmo que contribua com alguns passes definitivos e perfeitos.

É bom? É! Mas não estou comentando sobre o bom Estou falando do significado da palavra craque, do incomum, do diferente, da indubitável titularidade.. Não desse exagero intolerável escrito e vociferado diariamente Nesse Brasil esportivamente egoísta que parece ter talento apenas por aqui. Se Paulo Henrique não se disciplinar com ele próprio Esquecer o que ele pouco foi e decidir ser o que sempre disseram que ele é! Será apenas mais um talento mentiroso exageradamente propagado mas perdido no meio de tantos e como tantos! 

Futebol é bem mais que manchetes, vozes e elogios, Está sucumbindo ''prematuramente tarde''... Quando o tempo passou e todos esperavam por ele Inclusive ele mesmo E tudo se foi como um sonho não consumado. Ainda há tempo mas no futebol o relógio passa mais rápido Que o tempo veloz imprime a nossa vida fora dele. "

16 comentários:

Adriano Ferrarez disse...

PC,

O seu chará foi sagaz, ácido e poético.
Paulinho Criciúma é daqueles caras que me dão orgulho de torcer pro Fogão. De uma educação refinada e gentileza extraordinária. Me lembro do encontro dele com um juiz mulambo (da laia de José Roberto Wright) que havia garfado o Fogão, patrocinado por um programa esportivo, em que Paulinho Criciúma foi um verdadeiro diplomata. Coisa que somente os grandes são. Pra quê chutar cachorro morto não é?
Ídolo é isso, em uma entrevista que ele deu na Rádio Botafogo Paulinho Criciúma falava com muita humildade do que o Botafogo representa na vida dele, e olha que ele só ganhou um "carioquinha". Mas pra nós alvinegros aquele foi um campeonato mundial. Vemos muitos outros projetos de ídolos que ganharam títulos "maiores" que o de 1989 cuspindo no prato que comeu. Esses são só espectros, flashs fugazes e não terão sua marca na película eterna alvinegra. Em relação à Ganso é isso, apenas mais um.

Alexandre disse...

E o kiko ?

Marcos Paret disse...

Sobre as questões envolvendo PH e Seedorf no Bem Amigos, constatações:

Seedorf simplesmente destruiu os argumentos dos falaciosos ali presentes. DE TODOS ELES.

- Calou a boca do Arnaaaalldo dizendo-lhe "na Itália, Ganso não passaria tão fácil assim pelo zagueiro. A marcação lá é diferente".

- Calou a boca do Alberto Helena que insistia na mesma lenga-lenga, dizendo que Zidane era clássico como o Ganso e devolveu "Não, não, não. Parece que Zidane era clássico de estilo lento mas ele, na verdade, era dinâmico. Está errado quem pensa que aquilo era lentidão. Ganso não é assim. Ele para a bola, joga mas depois para de novo. Assim, na Europa, vai ser complicado".


CLARO QUE O BOBALHÃO BUENO PENSOU QUE SERIA ELE A CALAR O HOLANDÊS E LÁ FOI O SABE TUDO.

- claro que teve a sua boca calada também. "Pirlo era assim como Ganso", disse a insuportável tradução da Globo. "O Pirlo parece que não corre mas corre", jabeou-lhe Seedorf. E ante um Galvão já gaguejando e procurando afrouxar o nó da gravata, foi mandando "...Em relação a Pirlo, você tem que analisar a posição em que ele está em campo. O Pirlo joga mais atrás e como na Europa a marcação está mais forte, ali ele tem que ser mais dinâmico. Só por isso ele dá certo no futebol de lá".


É simples mas os caras que falam na TV para o povinho daqui acham que todos vão aceitar seus argumentos falidos. Na Europa, um cara bom de bola, percebendo que se atuar por um certo espaço do campo a marcação não vai deixar, simplesmente se coloca em outro espaço menos marcado e menos óbvio e dali, sai para fazer jogadas mais efetivas.


Tiveram que direcionar o programa em relação a perguntas para o Massinha, o cara que andava de Ferrari (do décimo lugar para trás).


É POR ESSAS E OUTRAS QUE ELES JAMAIS VÃO DEIXAR DE TER ÓDIO PELO BOTAFOGO. Já estou vendo, caso não vençamos o Coxa no domingo, o sorriso nos cantos da boca dos caras da transmissão pela TV. Mas eles passarão. O Botafogo vive e já teve dias muito piores.

Seedorf neles! Loco neles! Maurício neles! Jairzinho neles! Garrincha neles, forever!


P.S. Sobre esta gente da mídia que tem nome, engana o povão mas nada sabe de futebol, conto-lhes, quando der tempo, sobre um deles na decisão do carioca de 90. Houve uma ivnersão na lateral direita do Botafogo (entre o 2 Paulo Roberto e o zagueiro Gottardo) mas o cara, de nome, sequer percebeu. Conto com detalhes pois não só estava no estádio como acompanhava a transmissão pelo rádio, ATÉ À MEIA NOITE.

MARCO CAMEJO disse...

Paret,


Na boa, faça um bem ao seu cérebro: não assista Bem amigos!!

Marcos Paret disse...

Fala meu nobre Camejo.

Obrigado pela dica bravo urubu mas creia que quando ligo a TV para assistir a algo que posso vir a criticar, o faço apenas para ter 'barulho na sala' ou então para fazer movimento mesmo.

Sou capaz de ficar na sala durante uma novela e ao final dela, não saber patavina do que rolou na história.

E sobre aquela gente de quem falei aí do programa, quando um ou dois deles estão em transmissão de jogo ao qual me obrigo a assistir, creia, chego ao fim do jogo sem sequer lembrar do que disseram.

Veja que tenho um blog, ligo a TV numa destas transmissões e ao final da partida, tenho que fazer o meu texto falando do jogo. Já pensou se eu tivesse que escrever ligado no que os caras dizem?

Péricles disse...

O Ganso lembra o Jonatas, aquele camisa 8 do Flamengo que arrebentou na Copa do Brasil de 2006 e depois decaiu tanto que acabou em times pequenos (Foguim, Figueira). Parece que ele abandonou o futebol...

Alexandre disse...

Alex do Coritiba esta querendo vir pro Flamengo ano que vêm pra ser o nosso camisa 10, na minha opinião ele e melhor do que Maxi Rodrigues com todo respeito ao Ricardo Carlos, e tem mais ele recusou o Cruzeiro e o Palmeiras, e só vai ficar no Coxa si for pra segunda divisão.

E pensar que têm um timeco chamado botafogo que pensa em Jorge Wágner aliás quem e ele ?

SRN

Marcos Paret disse...

Alexandre, com todo o respeito, é a reencarnação em tela do "falecido" Sidinho facebook.

Karadium - Kudiôtro.

Marcos Paret disse...

E Alexandre.

O cara não deve vir não amigo. Se vier, vai ter que rever toda a sua postura recente e mudar, publicamente, de opinião acerca do que acha da dona do time de vocês.


Se é que me entendes.

eduardo schiefler disse...

O Paulinho Criciúma comenta todos os jogos dos times aqui de SC no pay per view, achei que ele só comentava os jogos do tigre aqui em sc, mas dia desses ele tava em floripa comentando jogo do figayra também.
E o cara é muito bom comentarista.
No primeiro turno eu meio que torci o nariz quando vi que ele seria o comentarista quando o mengo jogou contra o tigre por aqui, mas ele comentou o jogo melhor que 99% dos comentaristas badalados do rio e sp, entende do assunto e sabe falar muito bem.

eduardo schiefler disse...

O Alex só sai do Coritiba se expulsarem ele de lá. Ele recusou ir pra times onde ele fez história como Cruzeiro e Palmeiras que ofereceram uma boa grana ,pra poder jogar no time do coração.
Alexandre meu caro amigo rubro-negro, o flamengo não pode sair gastando o que não tem pra trazer gente com nome. O Maxi tem 30 e poucos anos já....se for pra vir e ganhar um salário dentro da realidade do clube, pode até ser.
Deixa o Pelaipe voltar pra porto alegre, e contratarem um novo diretor de futebol, que ele decide quem deve vir.

MARCO CAMEJO disse...

Sei que não tem nada a ver com o post, mas vasculhando o blog do paulinho- leitura diária e obrigatória- achei mais falcatruas do nosso irmão gay tricolete, vocês, que taxam o Flamengo de clube do mal deveriam rever seus argumentos...O flu é o clube mais sujo da história!!! Minha torcida pro vasquin não cair aumentou agora, o fluminense deveria ficar uns 5 anos na serie B pra pagar seus pecados, segue parte do posto no blog do paulinho:

1991

O Fluminense ganhou os pontos da partida frente ao Botafogo, realizada nas Laranjeiras, devido a problemas com a torcida alvinegra.

Pela primeira vez, em um Campeonato Brasileiro, a equipe da casa ganhava pontos devido a problemas com a torcida visitante.

O ponto obtido nos tribunais foi decisivo para a classificação do Fluminense às Semifinais do Campeonato Brasileiro de 1991, uma vez que a equipe carioca acabou com o mesmo número de pontos do Atlético Mineiro, também classificado, e Corinthians, que acabou eliminado.

1996

O Fluminense ficou em 23° lugar entre as vinte e quatro equipes do Campeonato Brasileiro, e seria rebaixado juntamente com o Bragantino.

Seria, pois a CBF “revogou” o rebaixamento, alegando problemas de arbitragem. O Fluminense foi beneficiado e não foi rebaixado.

1997

O Fluminense ficou em 25° lugar entre as vinte e seis equipes do Campeonato Brasileiro, e, enfim, fui rebaixado.

1998

Na Segunda Divisão, o Fluminense acabou em penúltimo lugar em seu grupo e acabou rebaixado para a Terceira Divisão.

1999

O Fluminense disputou a Terceira Divisão. No quadrangular final, na segunda rodada, a equipe carioca ganhou os pontos do jogo contra o São Raimundo, que havia acabado empatado, sob a alegação de irregularidades com o jogador da equipe amazonense. O Fluminense era novamente beneficiado por decisões extra campo.

O Serra, outra equipe que ainda estava na disputa pelo acesso, perdeu os pontos da vitória frente ao Náutico, em jogo válido pela penúltima rodada. Este resultado também beneficiou o tricolor carioca, que acabou campeão da Terceirona.

2000

O Fluminense tinha uma vaga assegurada para a Segunda Divisão do Brasileiro, no entanto, foi resgatado diretamente para a Copa João Havelange, a Primeira Divisão do Brasileiro. Novamente, o Fluminense foi beneficiado por decisões extra campo.

Marcos Paret disse...

1991 Camejo?

Olha meu caro, sei que você pode não encontrar em pesquisas e presumo que não tem os cinquenta e poucos anos que tenho mas acredite: AQUELA COISA TRICOLETOSA, PURPURINADA E QUE USA TALQUINHO, é o troço mais ladroeiro que já existiu na história do futebol.

Roubam desde sempre, com tapetão, depois dele, atrelados ao Eurico, ligados à Unimed (tem anunciante forte da Globo, tem mamata).

Se você soubesse as histórias que o meu velho pai me contava nos meus tenros 5 a 8 anos (anos 60) e que meu tio confirmou nos 80, acharia que os nossos times são conventos de frades franciscanos.

Sabe o dito 'timinho', pecha que eles tinham com orgulho até montarem aquela maravilhosa máquina de 1975 (Rivelino e cia.)? Isto era a mais pura verdade.

Samarone, Lula, Caio cambalhota, Zanata, tudo jogador bom mas, para a época, que passava rapidinho por time grande e só se criava lá. Era uma espécie de Vitória-BA ou Atlético-PR só que com a capa da antiga CBD (atual CBF). Quando chegaram os anos 60/70, um advogado tricolete chamado José Carlos Vilella terminou por lhes dar a última parte dos presentes, ou seja, os títulos de metade dos anos 60 até o último (tiveram um período de seca a partir de 1980).

O Fluminense, no dia em que a Unimede se mandar de lá, com certeza vai ter que patinar muito para se situar no meio dos outros 11.

Os tricolores mais jovens podem sim vir aqui dizer que só falo isso por estar o meu time há 17 anos esperando para disputar uma Libertadores, o que é fato, mas o que eu disse acima ocorreu na história do nosso futebol. É a mais absoluta expressão da verdade.

Marcos Paret disse...

CORRIGINDO.

...no dia em que a UniMED.

_______________

Falei que o período de seca começou em 80 mas foi a partir de 85. Eles, como numa redenção por décadas de armações, montaram um time muito competitivo no tri carioca (e no brasileirão de 84), mas a história se deu assim.

Na máquina do Horta e no citado time de 83/85, abdicaram da armação e foram ganhando no campo mas em todo o resto, maracutaia é a sua mais perfeita tradução.

MARCO CAMEJO disse...

Paret,


Detalhe: é o único clube sem ídolo genuíno.

Marcos Paret disse...

Timinho cara. Simples assim.

Contratavam "do que tinha". Do que tinha sobrado no interior daqui, no interior dali e do subúrbio carioca.

Jamais se preocupavam, como Botafogo e Flamengo por exemplo, o primeiro contratando Didi primeiro e Gérson depois e o segundo, P. C. Caju, tudo atleta de nível a por dinheiro alto.

O Vasco então, catou dinheiro de tudo o quanto era empresário e trouxe nada menos que Tostão, um dos caras do futebol da época, mesmo depois agasalhando todo aquele prejuízo. Depois, pegou o candidato a Pelé, o Dener, igualmente por uma boa granda que parece, ainda estava pagando, quando houve o sinistro. O Flamengo, para dar liga aos garotos Zico e Adílio que ainda viviam no limiar de sair da base e assumir o time de cima, trouxe nada menos que Paulo Cesar Carpegiani lá do sul.

Ali nos laranjais, era jogadorzinho de tostõezinhos mesmo, pois já sabiam que na dúvida, o tapetão era sempre pendente para eles: nome do mandatário eterno no futebol brasileiro: JOÃO HAVELANGE.

Quando lembro que tivemos o pior período da nossa história entre 69 e 88 e, justamente nesta época, tivemos por mais de 15 anos o botafoguense Otávio Pinto Guimarães à frente da federação carioca, não tenho vontade sequer de passar pela calçada da Álvaro Chaves.