Sandro Moreyra, um autor à procura de um personagem

Sandro Moreyra, um autor à procura de um personagem
À venda no buscapé em 16 livrarias e em diversas livrarias ao vivo (Clique na imagem acima)

Livro do Senta

Livro do Senta
Clique na imagem e encomende o seu

quarta-feira, 27 de novembro de 2013

OBRIGADO, NILTON SANTOS!

Foto: site globoesporte

"Tu, em campo, parecias tantos, e no entanto, que encanto!"
Eras um só, Nilton Santos"
(Armando Nogueira)

Eu estava no Maraca quando Nilton Santos agrediu Armando Marques num dos muitos jogos da história em que o Glorioso foi prejudicado pelas arbitragens

E tietei o cara há dois anos num almoço em homenagem a ele no Braseiro da Gávea

12 comentários:

Luis disse...

Todos os botafoguenses agradecem a N Santos.

PC, mudando de assunto, veja isto https://www.facebook.com/photo.php?v=690922974286424

Chico da Kombi disse...



Era um amistoso na cidade do México: Botafogo x River Plate. Garrincha estava estraçalhando o beque Vairo. Nestor Rossi, o maestro da seleção argentina, chamou o lateral do River e aconselhou: “Quer melhorar teu futebol? Então faz o seguinte: aquele ali é o Nilton Santos, beque esquerdo como você. Vai lá perto, disfarça e passa a mão na perna dele. Só isso. Passa a mão que naqueles pés está o futebol de todos os beques do mundo".
Pés que jamais deram um bico na bola; reflexos que jamais foram traídos pelos efeitos de uma bola; atleta de equilíbrio assombroso, que jamais caiu no campo, a não ser derrubado. Nílton Santos, craque extraordinário que encarnou a prefiguração de toda a evolução tática do futebol moderno. Craque que viveu no campo duas faces de uma equipe, porque sendo zagueiro sempre teve alma e audácia de atacante. Nasceu com o talento de fazer gols e acabou glorificado pela arte de evitá-los.


Descanse em Paz, Enciclopédia do Futebol.



Adriano Ferrarez disse...

Meus olhos estão marejados! Cresci ouvindo histórias do meu saudoso pai sobre esse grande homem chamado Nilton Santos. Com toda razão era chamado de "Enciclopédia". Já havia visto essa entrevista, mas agora com o passamento desse grande ídolo, não somente da nação botafoguense, ela se reveste de uma emoção sem par. Vejam na entrevista a grandeza desse homem, a humildade que um verdadeiro ídolo deve ter. O céu alvinegro recebe mais um santo. Vai prosear com João Saldanha, Sandro Moreira, Luiz Mendes, Emil Pinheiro, Heleno de Freitas, com o meu velho Amandio e tantos outros saudosos alvinegros. Vai Nilton Santos, vai ser ETERNO!!!

http://www.youtube.com/watch?v=9Ll7zIMd_HY

Marcos Paret disse...

O maior zagueiro de todos os tempos. Segundo Armando Nogueira, "...não se permitia o recurso do carrinho...", já pensaram o que significava isso em época na qual só tinha artista da bola para ser marcado?

Marcos Paret disse...

Em 1978, Claudio Coutinho andou dando baforadas de criatividade falando do seu overlaping, a ultrapassagem do lateral esquerdo pelo atacante para ir à linha de fundo.

Na época não tínhamos blog´s, sites, a palavra livre podendo rodar o mundo.

Foi em 58 que a ida do lateral à área se deu pela primeira vez, COM NILTON SANTOS.

Vicente Feola, do banco, ao vê-lo pegar a bola e, em vez de entragá-la na meia continuar avançando para o ataque, gritava "voooolta Nilton... voollta Nilton". Qual nada, a lenda continuou mas não para a linha de fundo. Foi em direção ao gol e marcou contra a Austria, logo na estréia do Brasil na Copa de 58 (não esqueçam que em estréias a seleção joga sempre contra Nova Zelândia, Zaire, Escócia entre outros sem nota).

Ali nascia o beque que atacava (e marcava gols).

Anotou 10 em toda a carreira, repito, marca única até então, quando zagueiros jamais subiam ao ataque (até a figura do beque alto que ia cabecear no córner não existia).

Nilton, eterno como o Botafogo.

Marcos Paret disse...

Entre 2007 e 2009, ajudado pelo clube, Nilton teve que viver internado num hospital do Rio para tratar de problemas decorrentes do Alzheimer.

Na porta do quarto que ocupava no hospital, lia-se..

"Seja bem vindo. Não fale mal do Botafogo".

Não à toa, assinava contratos em branco com o clube. No fim, sem recursos como qualquer craque da sua época (até Pelé acabou falido e só se salvou por cair nas graças da Warner em 77), teve todo o seu tratamento custeado pelo clube, de forma correta e obrigatória no que tocava ao Botafogo.

Léo disse...

Nasci em 1970.

Vi Nilton Santos jogar a Copa de 62 inteira, vi-o entrar em campo dezenas de vezes, nunca o vi dar um carrinho nos jogos, na maior parte das vezes saía de campo com o uniforme limpo, vi-o desarmar soberbos atacantes com facilidade ímpar, várias vezes, muitas, vi-o sair da grande área com a bola nos pés sem utilizar a heresia do chutão para frente mesmo quando pressionado, vi o seu respeito pelos adversários, jamais o vi humilhar um companheiro de profissão, além do extraodinário jogador, vi sempre um vencedor e um homem correto. Vi-o desfilando a sua classe pelo Botafogo e pela Seleção Brasileira através das palavras do meu falecido pai, botafoguense pouco afeito a externar emoções, mas que embargava a voz quando me fazia ver Nilton Santos.

Nunca consegui perceber, onde terminava a admiração dele pelo jogador e começava pelo ser humano. Mas, uma frase em particular chamava-me a atenção, era quando ele dizia que Nilton Santos poderia não ser o mais espetacular jogador do Botafogo de todos os tempos, mas era, sem dúvida, o maior esportista da História do clube.

Nilton Santos despediu-se de pé, com o uniforme da ética limpo, com uma carreira vitoriosa e uma História de vida imaculada e em grande parte dedicada ao Botafogo. Meu pai tinha razão.

Obrigado por tudo, Nilton Santos. Assisti atentamente as suas grandes atuações.

Torquemada disse...

Quero manifestar mais uma vez meu total desprezo pela Rede Bobo de televisão que, por pura represália ao Seedorf, exibiu matéria a denegrir sua imagem e a da instituição Botafogo, chegando ao absurdo de dizer que o craque quis até mudar o hino do clube. O Seedorf incomodou no programa Bem Amigos onde, aliás, nem devia ter colocado os pés. Eu, torcedor apaixonado pela estrela solitária, continuo à espera de uma gestão eficiente e "com culhões", para se posicionar e resgatar nosso time do limbo onde picaretas insistem em nos chafurdar. Fora Maurício Imbecil Assunção. Fica Seedorf! E desculpe, em nome de toda a torcida, pelo comando atual do clube no qual você apostou.

Péricles disse...

Minhas homenagens ao grande Nilton Santos, que infelizmente não vi jogar. Exemplo de homem e de atleta. Junto com uma geração de jogadores incríveis fez o Brasil vencer o trauma da derrota de 50 e foi o primeiro lateral esquerdo a fazer um gol em Copas do Mundo. Todas as torcidas certamente lamentam sua perda.

Marcos Paret disse...

É torquemada.

Ainda bem que se ficarmos fora da Libertadores não o será pelo "cala a boca" dado pelo holandês nos bobalhões do programa televisivo. Afinal, não dá tempo para armar nada contra o Coxa.

Já quanto ao Alex (como o time do Coxa voava, como passou a jogar à la Náutico).

Marcos Paret disse...

Botafoguense agora tem programas bem dirigidos.

Além de estarmos à frente da TV no domingo, antes, já nesta quinta, acompanhamos o jogo LanúsxLibertad.


Sinceramente, não creio que a Ponte consiga de novo surpreender como o fez com o outro time argentino.

De toda sorte, o G4 pode virar G3 e assim, dificilmente iremos à Liberta. Paciência. Os 2 pontinhos deixados no jogo contra a Lusa, ou o ponto que poderia ser ganho contra o Grêmio, tirando 2 deles, podem fazer falta agora.

Marcos Paret disse...

hahaha.

Ainda acordado, vejo neste exato momento (00:59) que Rogordômeno, o cara da Praça do Ó com camisa do menguitinho, vai participar de Amor e Sexo falando do assunto.


Que programinha aberto hein?


FLAtenção - "..00:59.." - calma menguitistas. Não estou acordado a esta hora por causa do mulambão-mor campeão hoje. Nunca durmo antes de uma ou uma e trinta da madruga, a não ser quando o Fogão joga em meio de semana.