Sandro Moreyra, um autor à procura de um personagem

Sandro Moreyra, um autor à procura de um personagem
À venda no buscapé em 16 livrarias e em diversas livrarias ao vivo (Clique na imagem acima)

Livro do Senta

Livro do Senta
Clique na imagem e encomende o seu

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

Se você acha que o Botafogo ainda precisa de reforços pra disputar a Libertadores e o Brasileirão, que nomes você sugere?

Eu acho que precisamos de dois outros laterais pra reserva do Luis Ricardo e do Vitor e de um atacante de peso.
Quem sabe o Roque Santa Cruz.

10 comentários:

Anônimo disse...

Rafael Marques

Renna disse...

Diego Souza

Alex disse...

Luís Soares

Marcos Paret disse...

Quanto às posições vc está correto PC. Reforçando as laterais e com um matador nato (nada a ver com um certo goleiro pessoal), estaremos com 'O' elenco.

Já quanto ao R. S. Cruz, nada a ver. Raspou bolas de cabeça sem direção, anda pelo campo, mal aguenta a metade de um tempo. Não aguentaria a pedreira aqui do futebol brasileiro. Seria outro Canales ou Salgueiro (e ainda acredito que o Canales possa vingar).

Não sei quem seria o atacante mas não acredito no R.S.C.. Se vier, que a aposta seja válida mas não acredito mesmo.

Frederico disse...

"Me digam um país de cunho "tudo para todos" que nade em desenvolvimento humano, crescimento econômico sustentável, esteja livre de guerras e ditadores, e vislumbre progresso.
Todos que elegem o capital como vilão, estão nas piores posições em todos os índices supra citados"

Caro Cristian, flamengo, como eu. O Welfare state chegou bem próximo de vários países que pensavam assim "tudo para todos", como os escandinavos, a Islândia e a Finlândia, dentre outros, e não são "socialistas". Em outros isso se tornou impossível pela sanha do capital incontrolável, pela sede de ganhos sem preocupações sociais...O mal é esse, sua assertiva se cumpre certa ao final, mas, mostra-se fraca na essência, pois é justamente o contrário, o capital destruindo vidas, fazendo servos, pobreza, fome, miséria...O que adianta o 0,1% próspero ante a multidão de descamisados e pés inchados????

O capital produz sua riqueza para poucos, e devora, engole, antes mastigando cruelmente os demais...E os poucos "sobreviventes" são "heróis", quando na verdade são corruptos que a ele se aliaram e adequaram para destruir a maioria. O POVO, eu e você!

Toquemos a Internacional!!!!

Anônimo disse...

Pc, mulambo com discurso socialista é demais pra mim, só queria saber um exemplo que esse regime deu certo em algum país. Vide urss, Europa oriental e a China com economia de mercado. Um Abc carlos

Yolanda Resende disse...

Concordo PC, Jonas e Gilson são fracos.
Um atacante de bom nível, agora Roque Santa Cruz não é o que precisamos joga só 20 minutos.
Dois bons nomes, Xuxa e Zé Roberto do Mirassol. Temos que testar Renan Gorne.
SA!

Vitor José Biolchi disse...

Frederico, primeiramente VIDA GLÓRIOSA AO BOTAFOGO, COMO SEMPRE e, também, desejo "tudo de ruim" para o "crube", sem mortes ou feridos, mas com muitas e boas derrotas.

Já, o seu texto, é consistente em vários aspectos.

Fez-me lembrar quando estava em Rio Verde - Goiás -, numa grande empresa (aliás, durante 31 anos nesta empresa). Pregava-se, sobretudo aos novos funcionários, progresso na carreira e prosperidade. Muitos vinham dos rincões pobres do Brasil, das periferias pobres do sul, do norte e, principalmente, do nordeste brasileiro.

Então, na minha 1h00 de integração, diferente da maioria esmagadora dos meus colegas, eu pensava: "Como vender ilusão para esta gente sofrida, cujas condições sociais são paupérrimas e de formação escolar extremamente rudimentar? "Se somente 0,1% vai ter algum efetivo sucesso profissional?"
Claro, sentia-me constrangido, ao mesmo tempo que tinha a minha missão técnica.
Então, a além de dizer que deveriam cuidar muito da higiene, pois os milhões de consumidores, tão pobres como nós, dizia eu, não deveriam comer alimentos contaminados.
Confesso, enfim, sinceramente que não me sentia a vontade, muito pelo contrário, com aqueles discurso de prosperidade capitalista (pois afinal desde os 7 anos de idade eu já era uma espécie de socialista, sem nenhuma influência política ou escolar, afinal eu vivia numa escola que pregava o "o patriotismo dO Garrastazu Médici").

Então, eu preferia durante boa parte do tempo, citar, ao invés de Taylor e Fayol, Dom Hélder Câmara, Marighela, Madre Tereza de Calcutá, Irmã Dulce e do jovem Jeová (aquele guerrilheiro que os torturadores quebram as pernas dele para que delatasse os seus companheiros, mas que, mesmo assim, ele não delatou). Pois, eu tinha a certeza: 0,1% ou menos chegaria a tal prosperidade pregada pelos aficionados e ilusionistas do "fetiche da mercadoria".).

Portanto, concordo com o comentário.

Vitor José Biolchi disse...

Luís Soares!

Anônimo disse...

Lateral Madson do Vasco!