Livro do Senta

Livro do Senta
Clique na imagem e encomende o seu

sexta-feira, 29 de fevereiro de 2008

Respeitem o Botafogo - 2


Meu camarada Douglas Habibe enviou o comentário abaixo. Faz sentido o questionamento dele. Fábio Luciano, um zagueiro experiente, forte, alto e meio estabanado, sempre tumultua quando participa dos escanteios pró-Flamengo. Aconteceu na semana anterior contra o Vasco e vai acontecer outras vezes. Observem no detalhe da foto que o preto da camisa de Fábio está acima da mão direita do Ferrero. Que tecido mágico é esse que estica antes de ser tocado? A foto parece mostrar ainda duas mãos. Uma parece ser de Ferrero. E a outra? Será a Mão de Deus do Maradona?
Mas na dúvida, é sempre contra o Botafogo; e eles dizem que nós acreditamos numa tal de Teoria da Conspiração.

Leiam o comentário do Douglas:

"Douglas Habibe said...
Caro PC,
.
Se você ainda tiver estômago para rever o lance do pênalti, notará que Fabio Luciano puxa a própria camisa, com a mão esquerda, na parte da frente. Quer dizer, isso ajudou bastante na "tirada de camisa".
.
A imprensa comeu bola. Mas ta lá, é só rever".

Editorial: Respeitem o Botafogo


Você, com certeza, já ouviu falar de Garrincha, Didi, Nilton Santos, Jairzinho, Afonsinho, Heleno de Freitas, Amarildo, Zagallo, Gerson e muitos ... muitos outros que fizeram a história do futebol brasileiro. E de André Luiz Valentin? Você já ouviu falar desse sujeito? Agora vai ouvir. O cara quer aparecer e está sendo de uma inabilidade extrema. Qual é a desse cidadão? Já não basta o que estão fazendo com o Botafogo e seus torcedores? Querem proibir os botafoguenses de reclamar. Querem proibir os botafoguenses de ter emoção. Querem proibir os botafoguenses de olhar para o futuro. O que esse cidadão quer? Impedir que Castillo, Túlio, Cuca e outros profissionais exerçam o seu direito de trabalhar? O que acontece dentro de campo morre dentro de campo. Daqui a pouco, esses mesmos jogadores estarão se encontrando nos restaurantes e boates da vida e se entendendo.

Mas o botafoguense está proibido de protestar. Torcedores do Flamengo e parte da Imprensa interessada em faturar com a grande torcida flamenguista ridicularizam o Botafogo, seus jogadores, seus dirigentes, seu técnico e, principalmente, sua TORCIDA. Torcedores do Flamengo e parte da Imprensa são os donos da verdade. Depois não querem que a gente fale em complô, em perseguição, em conspiração.

No jogo contra o Vasco, Fábio Luciano empurra o beque vascaino e o juiz não marca falta. O mesmo Fábio Luciano passa todo o jogo reclamando do juiz e não recebe cartão. Ele joga no Flamengo e o clube chega à final sem nenhum jogador suspenso. No início do jogo do Botafogo contra o Flamengo, Leo Moura atrasada a bola para o Bruno e o juiz ignora a infração. No final do primeiro tempo, Léo Moura cava uma falta na entrada da área e o juiz marca. Até Arnaldo César Coelho reconheceu isso na Globo. Souza dá um soco no goleiro Castillo antes do fatídico pênalti e o juiz não adverte, finge que não vê. No empurra-empurra tradicional dentro da área, o juiz opta por um pênalti pró Flamengo, expulsa Zé Carlos, que impedia a principal jogada do Flamengo, e dá um cartão amarelo para o capitão do Botafogo. Pouco depois, Jorge Henrique é empurrado na entrada da área do Flamengo, o juiz ignora. Na sequência da jogada, Lúcio Flávio faz uma falta digna de cartão e é expulso.

A bandeirinha que posou pelada na revista inventa dois impedimentos e prejudica o Botafogo, e os botafoguenses são chorões; a mesma dupla (Djalma Bertrami e Hilton Moutinho) que inventou impedimento do Dodô contra o Flamengo, ignora um claro impedimento do Marcão do Fluminense naquele jogo de 2006, que desclassifica o Botafogo. E os botafoguenses são chorões, não podem reclamar. No Brasileiro, o beque bota as duas pernas nas costas do Jorge Henrique e o Botafogo não pode reclamar. Fora os outros erros ao longo do campeonato. Até o conhecido flamenguista Renato Maurício Prado publicou na sua coluna: "Está estranho!".

Na dúvida, é sempre contra o Botafogo ou pró-outros clubes, pró-Flamengo. Foi assim no domingo, foi assim no falso impedimento do Dodô no ano passado, foi assim na expulsão do Marcelo do Madureira na decisão da Taça GB do ano passado, foi assim na última quarta-feira no gol anulado dos peruanos. São apenas coincidências, né? Não existe no futebol interesses econômicos em jogo.

Para essa gente jogadores, dirigentes, técnicos e, principalmente (INSISTO), Torcedores do Botafogo são um bando de babacas, chorões, que não têm direito de espernear. As brincadeiras, gozações e zoadas se encerram nas mesas dos bares. Mas prejudicar profissionais pelo que aconteceu dentro de campo é crueldade. Se o desconhecido procurador quer aparecer, que arranje uma forma mais digna e séria. Gostaria de saber a idade dele. Onde ele estava quando se torturava e se matava nesse país? O que ele fazia? Qual a reação dele?

Luiz Mendes costuma dizer: "A regra contra o Botafogo é sempre mais regra".

Respeitem o Botafogo. Respeitem os torcedores do Botafogo.

E agora? O que vão falar da atitude do Souza? E se no próximo Botafogo e Flamengo, o Túlio der uma porrada no Souza? Vão dizer o quê? Que o Botafogo não sabe controlar os nervos? Que não sabe perder. Que o Túlio é um marginal?

Como diria a minha avó desalmada: "Pimenta no fiofó dos outros é refresco!".

É meu caro amigo Renato Maurício Prado: Realmente está muito estranho.

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2008

Botafogo roubado - Uma Odisséa - 3 (O Globo não viu o roubo. Como sempre)


E não é que a pessoa contratada pelo Globo pra cobrir o jogo do Botafogo no Acre não viu os erros da arbitragem! Ainda bem que comprei o Lance! (ver post abaixo)

Botafogo roubado - Uma Odisséa - 2


E não é que roubaram o Glorioso lá no Acre. Nem vi o jogo. O jornal Lance! é que disse. Não é choro. O Glorioso ganhou e se classificou.

Quando é que vai parar a roubalheira pró Flamengo? - 4


Carta de leitor publicada no Lance!

Quando é que vai parar a roubalheira pró Flamengo? - 3

"Tu és time de juiz ladrão
Só ganha no roubo e armação
Adeus, Mengo!
Eu sempre te humilhei
Até com reservas ganhei
Adeus, Mengo!"

Quando é que vai parar a roubalheira pró Flamengo? - 2

"Eu nunca vi coisa igual
Roubo na Libertadores
Armação no Estadual
Eu já falei, vou repetir
Na final do Carioca
Vou chorar de tanto rir"

Quando é que vai parar a roubalheira pró Flamengo?

"E ninguém pára
Essa roubalheira
Rouba o Botafogo
Rouba os peruanos
Até o Madureira
Roubôôôôôôôôô..."

Será que ele é homem?

Cuca quer juiz do clássico no Tribunal
Técnico fica indignado com relato do juiz Marcelo de Lima Henrique e propõe acareação

Tem roubo, tem Flamengo


E agora? Vão dizer também que o Peru amoleceu? Gostam quando ele endurece? Vão dizer que os peruanos são chorões? Que coisa feia! O Flamengo envergonha o bom futebol. Quando vão ganhar de alguém sem a ajuda de arbitragens?

Flamengo, time de mutreta: por que anularam o gol contra o Fla?


Espero que O Globo também mostre esse gol legítimo na primeira página.

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2008

Flamengo time de mutreta



Acabei de ver na tv mais uma vitória do Flamengo com a ajuda do juiz. Por que anularam o segundo gol do time peruano? E será que se o segundo gol do Flamengo fosse feito por um jogador do Botafogo o juiz não daria mão na bola?
Que vergonha!
E o botinudo e desleal Sousa vai pagar em breve pelo deboche. Quem viver verá.

Flamengo, time de mutreta: "O ladrilheiro invasor"




Não é de hoje que o Flamengo recorre ao anti-jogo e às mutretas para vencer jogos. Os mais antigos lembram do ladrilheiro que invadiu o Maracanã para esfriar o time do Vasco numa decisão. De onde saiu o cara? Quem permitiu que ele entrasse em campo? E pior é que os flamenguistas ainda se orgulham disso. Chegaram a colocar a história num site que tem a alcunha de Flapedia. É só conferir:
http://www.flamengo.com.br/flapedia/O_ladrilheiro
Que coisa feia! Mas tem gente que gosta.

Hoje tem roubalheira?

Será que hoje tem roubalheira de novo no Maracanã? Ou é só contra o Botafogo? É bom estar de olho nos escanteios em que o Fábio Luciano participa. Na defesa e no ataque.

Dodô pagou com traição a quem sempre lhe deu a mão


Está hoje no jornal Meia Hora. O traíra do Dodô já pensa em ir embora do Flu. De ídolo da toricda do Glorioso ao ostracismo no time da Terceira Divisão. O castigo veio a galope. Segue o caminho de Túlio Maravilha (quando foi pro Corinthians), Pc Gusmão, Jonilson, Clayton, Cesar Prates e muitos outros. Bem feito. E agora não tem mais volta. Praga de botafoguense pega. Cuidado Flamengo e seus juízes.

Defesa do Consumidor: Foi roubado? Reclame


Os flamenguistas continuam assanhadinhos depois da roubalheira (mais uma) de domingo. Gostam de quem é roubado e não reclama. Pensavam que os botafoguenses iriam aceitar mais uma roubalheira sem reagir. O Botafogo só tem que tomar cuidado com o corporativismo dos árbitros. Eles vão se juntar pra prejudicar ainda mais o Botafogo. É bom ficar de olho.

Botafogo roubado - Uma Odisséa

Nilton Severiano é um "heterônimo" (os flamenguistas devem consultar o dicionário) de algum repórter gozador do jornal Lance! Vale a pena reproduzir a coluna dele no Lancenet. Diz tudo. Estão querendo acabar com o Botafogo. Estão incomodados com a volta do clube às decisões.

Botafoguenses: reajam.

A coincidência dos erros
Nilton Severiano

Caros alvinegros!

É impressionante ouvir de torcedores rivais e, principalmente, de meus companheiros de imprensa que o Botafogo reclama muito e sem razão. Será que eles já pararam para pensar que se os árbitros fossem isentos não reclamaríamos de nada? O que aconteceu ontem foi apenas o estopim, justifica as atitudes de Cuca, Bebeto e dos jogadores, que não vêem meios de mudar a situação. De que adianta trabalhar seriamente se aparece um soprador de apito e põe tudo por água abaixo? É justamente por isso que, ao lado do meu sobrinho Hermes Martins, fiz um levantamento dos últimos jogos decisivos do Botafogo. Coincidentemente ou não, quase sempre há o dedo da arbitragem. Basta ver:
Taça Guanabara 2008: Recuo de bola do Léo Moura, falta que não houve em Léo Moura, que originou o pênalti que acontece toda hora e ninguém dá (o tal do Gergelim também segurava o Túlio), expulsão injusta do Zé Carlos, primeiro cartão para o Lucio Flavio injusto e o segundo é na seqüência de um lance em que Jorge Henrique sofre falta na meia-lua.
Sul-Americana 2007: Incompetência apenas dos Cavaleiros do Fracasso, nada a reclamar de arbitragem (como não foi reclamado, diga-se).
Copa do Brasil 2007: A bandeirinha da "Playboy" anula dois gols legítimos, um de Zé Roberto e outro de Vágner, e nos elimina, ganhando os holofotes. (falo sobre o caso Simon daqui a pouco)
Carioca 2007: No primeiro jogo, pênalti no Luciano Almeida (muito mais claro do que esse no Fábio Luciano). No segundo, aquele mercenário faria o gol do título, mas é marcado impedimento erradamente e ele ainda é expulso!
Taça Guanabara 2007: Ser eliminado pelo Boavista é incompetência, mas Zé Roberto teve um gol absurdamente anulado.
Sul-Americana 2006: Absurda eliminação para o Timinho da Série C. No primeiro jogo, pênalti no Wando não marcado e gol não dado quando Rissut tirou de dentro do gol. No segundo, gol do Marcão, impedidaço.
Copa do Brasil 2006: Eliminação justa para o Ipatinga.
Copa do Brasil 2005: Contra o Paulista, o gol da classificação sairia no último minuto. Mas o goleiro tira de dentro do gol! Juizão manda seguir, é claro.
Taça Rio 2005: Botafogo 3 x 3 Cabofriense. Já com dois a menos, o Fogão leva um gol de Diego, impedido e é eliminado.
Taça Guanabara 2005: Mais de 70 mil alvinegros no Maracanã vêem o juiz não dar dois pênaltis para o Botafogo e Washington, do Americano, fazer o gol decisivo impedido.

Tudo isso é fato! Coincidência? Choro? Olha que nem falei dos absurdos que ocorreram nos últimos Brasileirões, com o Botafogo sendo sempre grosseiramente prejudicado! Exemplos: contra o São Paulo no ano passado, falta clara em Juninho ignorada, gol deles; contra o Figueirense, golpe de capoeira em Jorge Henrique dentro da área não é pênalti, gol impedido deles; em 2006, Wilson de Souza Mendonça fazendo até o sempre sensato Manoel Renha perder as estribeiras, pois o juiz nos roubou dentro do Maracanã contra o Inter. É o preço que se paga por um ser um clube decente, opositor a estas falcatruas que predominam. Irrita é ver companheiros da imprensa preferindo defender as falcatruas! Aí vem o papo: "Ah, mas o Simon ajudou o Botafogo contra o Atlético Mineiro. Contra o América, teve um pênalti que o juiz não deu em 2006. Contra o Santos, foi roubado, em 1995". É impressionante! Três casos a favor em 13 anos, não é sensacional? Sendo que em 95, o Botafogo teve um gol mal anulado na primeira partida que ninguém comenta! E que o mesmo Márcio Rezende de Freitas nos tirou a Copa do Brasil em 1999, anulando dois gols legítimos.

Do outro lado, o favorecimengo. O time precisa ganhar a Taça Guanabara, para poder pensar na Libertadores, como no ano passado. Logo, os juízes são solidários! Em 2007, foram beneficiados contra Cabofriense, Americano, Boavista e Madureira e levaram (lembram-se do Marcelo sendo expulso por ter sofrido pênalti? Pois então). Este ano, já contra a Turma do Fuscão 68, o primeiro gol nasce de um lance em que não houve falta. Aí, no cruzamento, o tal do Fábio "Curintiano" empurra o zagueiro e faz o gol. Aí pode! É ou não é duvidoso? É por isso que precisamos continuar lutando contra esse mal, o Botafogo é uma fortaleza que nunca se renderá! E momentos ruins eu já vivi, mas nunca parei de cantar! Precisamos de todos - nosso presidente Bebeto há de voltar - para transformar essa indignação em motivação para derrotá-los na final. Aí, enfim, a justiça será feita!

terça-feira, 26 de fevereiro de 2008

Tu és o Glorioso: a reação do Botafogo à vergonha do jogo de domingo. Quem não é torcedor comum, entende



Meu camarada Zé Sérgio, do grupo de amigos do Cid, escreveu uma obra prima numa simples troca de mensagens que mostra bem a grandeza do Botafogo e dos seus torcedores. Quem é comum, quem torce pra times comuns, quem aceita vencer mais um campeonato graças ao apoio da arbitragem jamais vai entender a beleza de um texto como esse. É bom recordar que foi em 1988, após o choro da gandulinha Sonja Martinelli, depois de mais uma derrota injusta para o Vasco, que o Botafogo ressurgiu para ganhar o campeonato de 1989, com aquele gol antológico do Maurício. Vale a pena ler. Só para aqueles que têm bom gosto e sensibilidade.

Uma maravilhosa catarse!
Zé Sérgio
Discordo de tudo e de todos, inclusive do amigo professor Simas e do ex-colega de editoria de Esportes do Globo, o sempre lúcido Fernando Calazans, que enxergaram ridículo, patetices e (caso do Simas) até boiolismos na maravilhosa manifestação do grande Bebeto, do grande Cuca (por mim, vai morrer técnico do Botafogo, pois entre os técnicos que já tivemos só mesmo o Saldanha encarnou tanto a alma botafoguense) e do time inteiro no vestiário, após a derrota no 1º turno. E o grande Montenegro também teria sido menos comedido se não tivesse, ano passado, esgotado o próprio repertório. Montenegro falou demais na hora errada e agora está na muda.

O que houve naquele momento foi, sim, intempestivo; foi, sim, algo do qual até poderemos nos arrepender algum dia (foda-se, todo mundo se arrepende algum dia das grandes e leves cagadas). Porém, "cena ridícula e patética", jamais! Aconteceu, apenas, uma maravilhosa catarse, talvez um rito de passagem bonito pra cacete, e se eu estivesse lá teria reação parecida.

Quem já foi garoto e rodou na macumba em dia de Cosme e Damião vai entender. Quem já fez bar-mitzvá vai entender. Quem lembra da primeira punheta que tocou vai entender. Quem foi jogado no chuveiro pelo pai ou pelo avô depois da primeira porranca vai entender. É preciso mergulhar um pouco mais na alma botafoguense para entender o que se passou. Somos diferentes, somos assim mesmo. A lucidez que se foda! Quem for lúcido demais corre o risco de não entender totalmente o perispírito, o DNA, a estrutura molecular alvinegra.

Leiam melhor o fantástico "Botafogo entre o céu e o inferno", de autoria do Sérgio Augusto, para saber que é preciso ir mais fundo, além dos heróis que demoliram o tabu de duas décadas sem títulos, das duas gerações de ouro dos anos 60 (a do Jairzinho-Gerson-Roberto e a do Garrincha-Didi-Nilton Santos). Tem que ir muito mais pra trás, antes mesmo do Heleno e até do Carvalho Leite. Somos o único grande clube brasileiro, e talvez o único grande clube do planeta, que foi fundado por um bando de guris e continua existindo, vivo, firme e forte. Eram garotos jogando bola ali onde hoje é a Cobal do Humaitá, uns mequetrefes, e foi a vó (dona Chiquitota) do nosso primeiro presidente (Flávio Ramos) que deu nome definitivo ao time.

O Botafogo é (ou era, pois o que aconteceu naquele vestiário), portanto, um eterno adolescente. E vamos continuar sendo um pouco isso. No entanto, depois daquele fuzuê no vestiário, a coisa vai mudar, meus chapas, hãhã, vocês vão ver só o que vai ser bom pra tosse! É simples, caros incréus, o Botafogo está ficando adulto, daí o sagrado descontrole que tomou conta de jogadores, dirigentes e torcedores. A questão é meramente hormonal. Enquanto outros times do primeiro escalão do futebol brasileiro envelhecem, nossa pica acaba de tomar forma. E tomem cuidado, pois a coisa é grande, artefato da melhor envergadura, tipo Djalmão de anedotas.

Ouçam bem o que estou lhes dizendo: com exceção do São Paulo, que é um clube sem alma alguma, uma Grande Rio das quatro linhas, uma espécie de Imperatriz Leopoldinense sem Zé Katimba, os grandes times brasileiros têm belas histórias, têm belos passados. Mas no futuro poucos restarão. Assim como o Andaraí, o Mangueira, o Canto do Rio, muitos vão desaparecer do mapa. Aqui, no Rio de Janeiro, arrisco: no ano 2.500, quando o Brasil completar o primeiro milênio, só restarão o Botafogo e, possivelmente, o Flamengo.

Sobre o que aconteceu em campo, no domingo, peço licença pra pedir que vocês, que gostam de assistir jogos dos campeonatos europeus, me digam, honestamente: o juiz é personagem nesses jogos? No cu que é. Raramente, sua senhoria européia se torna mais importante em campo do que os atores principais. Por favor, me entendam: não acredito que o Flamengo tenha comprado o Marcelo de Lima Henriques (guardarei este nome pelo resto da vida, junto com o de um sujeito chamado José Marçal Filho), mas este cretino acabou com um jogo que estava bonito e disputado, um jogo em que as faltas demoraram a acontecer (e que começaram porque os dois times perceberam o quão inseguro e incompetente era o apitador), um jogo que só teve impedimento um milhão de minutos depois do apito inicial. E, com certeza, foi determinante para o resultado da partida. Seja a favor do Flamengo ou do Botafogo (é "rúim", hein?). Portanto, um escroto. Não um canalha, que os canalhas são simpáticos. Marcelo de Lima Henriques é apenas um imenso escroto. Ele, sim, foi patético e ridículo, tal e qual outros safados (incluindo a safada gostosa que armou pro Figueirense).

O Botafogo, seus dirigentes (talvez os únicos decentes do futebol brasileiro atual), os jogadores (que elenco! desfalcado e tudo, partiu pra cima até o minuto final) e a torcida (que maravilha de torcida, ninguém vai calar nossa turba!) não mereciam um pilantra como esse. Aguardem que os pelinhos da barba do garoto estão crescendo! O moleque já foi na zona! Tem mais campeonato pela frente. E a lucidez que se foda!!!

O nome dele é Marcelo de Lima Henrique - 12 (FlaGlobo)


Por que O Globo não mostrou, na mesma foto, o Túlio sendo segurado pelo Ronaldo Angelim? Por que recortou a foto ao seu bel prazer? E por que O Globo não publicou na semana retrasada a foto do Fábio Luciano empurrando o beque do Vasco? E por que não publicou no ano passado o falso impedimento do Dodô que deu mais um título roubado ao Flamengo? Meus amigos flamenguistas do Globo são muito espertos. Sabem editar uma página. Na União Soviética de Stalin isso também era feito. Com menos recursos.

Sem gozação e hipocrisia, sabemos muito bem o que aconteceu no domingo.

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2008

Marcelo de Lima Henrique, o herói da decisão, e Paulo Maluf!


Está lá no blog do Murilo Aragão (http://www.blogdomurillodearagao.com.br/index.asp?area=2&dia=24&mes=02&ano=2008&idnoticia=46554) umas informações, no mínimo estranhas, sobre essa flor de pessoa que deu um pênalti suspeito em favor do Flamengo na decisão da taça Guanabara, expulsou jogadores do Botafogo, ignorou faltas etc. Curioso também o fato do autor do blog botar uma foto de Paulo Maluf como sendo de Marcelo de Lima Henrique. Mas os flamenguistas fanáticos querem impor aos botafoguenses a tal derrota suspeita.

Como é mesmo aquela história das papeletas amarelas?

O nome dele é Marcelo de Lima Henrique - 12 (Que time é o dele?)

Será que a Imprensa não consegue descobrir nenhum amigo do Marcelo de Lima Henrique para esclarecer de vez qual o time dele? Ou não tem interesse?
Chega de armações! Chega de ser prejudicado por arbitragens.
Chorão é a pinceleta, como diria meu saudoso pai, que, por sinal, tinha o defeito de ser flamenguista.

O nome dele é Marcelo de Lima Henrique - Imprensa flamenguista



Quando a Imprensa, formada em sua maioria por flamenguistas fanáticos, começa a justificar a tal foto do juiz com a camisa do Flamengo, dá pra desconfiar. Montagem? E o pior é que o cara ainda fez carga contra o Cuca e os jogadores do Botafogo. É muito esperto. É muita cara-de-pau. Querem obrigar os torcedores do Botafogo a aceitar mais essa derrota suspeita contra o Flamengo de Kleber Leite, George Helal, Michel Assef, Edmundo Santos. Todos dirigentes muito honestos e sérios.

Cidade envergonhada

Percorri hoje parte do Rio de Janeiro. Vila Isabel, Tijuca e Botafogo. Muitas pessoas com a camisa do Flamengo. Mas envergonhadas. Um orgulho forçado. Bastava dizer "Roubado mais uma vez" pra abaixarem a cabeça, sem graça. Um amigo que odeia futebol sentiu o mesmo. É claro que os fanáticos não vão admitir jamais. Mas vida que segue, como diria João Saldanha. Um dia a casa cai.

O nome dele é Marcelo de Lima Henriques 11 - Eu já sabia


Era tão previsível o que ia acontecer no jogo que eu publiquei a ilustração acima uma semana antes aqui no blog. Deu no que deu. São anos acompanhando futebol e não sou nenhuma criança.

O nome dele é Marcelo de Lima Henrique - 10 - E tome gozação: a nova camisa do Fogão


Os flamenguistas estão saltitantes. Ganharam um título roubado e se orgulham disso. Mas este blog é democrático e espirituoso. Segura a gozação. Mas vai ter forra. Podem aguardar. E com juros e correção monetária.

O nome dele é Marcelo de Lima Henrique - 9 - E tome gozação!: Onde os fracos não têm vez?


Os flamenguistas estão saltitantes. Ganharam um título roubado e se orgulham disso. Mas este blog é democrático e espirituoso. Segura a gozação. Mas vai ter forra. Podem aguardar. E com juros e correção monetária.

O nome dele é Marcelo de Lima Henrique - 8 (Será photoshop?)


Pode parecer montagem. Mas faz sentido.

O nome dele é Marcelo de Lima Henrique - 7

Está lá no blog do Biscoito Fino. E o colega nem botafoguense é; é atleticano.

http://idelberavelar.com/
Marcelo de Lima Henrique, o sr. dormiu bem à noite?

Eu já havia preparado links e anotações para um post sobre a judicialização do debate jornalístico no Brasil, dada a decisão da Revista Veja de processar o Luis Nassif. Nos domingos, em geral, dedico a tarde e a noite ao trabalho acadêmico, reservando um par de horas na madrugada para o post da segunda. Como já estava preparado o post, fui fazer uma das coisas que mais gosto: ver um bom jogo de futebol. Era a final da Taça Guanabara, entre Botafogo e Flamengo.

O Maracanã é, sim, o grande templo do futebol – que me desculpem os paulistas. A Taça Guanabara é o que chamamos, em outros estados, “primeiro turno”. Mas tem um charme e uma tradição incomparáveis. Esquentei uma carninha, abri uma Dos Equis Amber e fui ver a partida. Maraca lotado, jogo aberto, bonito: um sonho para qualquer fã de futebol.

Mais uma vez senti vergonha de ser brasileiro. O que foi feito com o Botafogo ontem no Maracanã é uma dessas coisas que, em qualquer país sério, terminaria na delegacia de polícia ou na barra dos tribunais. Há 18 anos acompanho basquete universitário e profissional, futebol americano universitário e profissional. Tenho meus times (Universidade da Carolina do Norte, New Orleans Hornets, New Orleans Saints, além de ter algum carinho pelo Carolina Panthers, clube que vi nascer). Nunca, em 18 anos, presenciei espetáculos grotescos de arbitragem como os que acontecem no Brasil quase todas as semanas.

Faço questão de escrever este post porque não faltam leitores que apontam “choro de perdedor” cada vez que assinalo os incontáveis roubos de arbitragem de que o Atlético-MG foi vítima ao longo dos anos. Pois bem, agora não foi com o meu time. Botafogo, Vasco, Fluminense, São Paulo, Palmeiras, Corinthians: para mim dá tudo na mesma. Sou Galo, sinto simpatia pelos times do sul, especialmente pelo Inter, e tenho lá um cantinho de amor pela Ponte Preta e pelo Vitória-BA. Desta vez, eu só queria ver um bom jogo. Que vencesse o melhor.

O pênalti marcado em favor do Flamengo, quando o Botafogo vencia por 1 x 0, é daqueles que teriam que ser marcados 20 vezes por jogo. Não pode segurar a camisa do adversário ao subir para cabecear? Perfeito. Que se apite 20 pênaltis por jogo então. Eu não teria problema com isso. Um outro critério, que uns poucos juízes honestos utilizam, é marcar esse tipo de pênalti quando o atacante estiver sendo impedido de fazer a jogada. Não era o caso, já que não havia nenhum perigo de gol. Mas, claro, a camisa sendo agarrada era rubro-negra. Não é preciso dizer que a mesma jogada aconteceu pelo menos 5 vezes do outro lado, sem que se marcasse nada.

Esqueçam o pênalti. Que eu saiba, existe uma regra no futebol que determina que, numa bola recuada intencionalmente com os pés para o goleiro, este não pode segurá-la com as mãos, sob pena de tiro livre indireto na área – a não ser, claro, que o jogador que fizer o recuo se chame Léo Moura e vista uma camisa rubro-negra. O cartão vermelho para Zé Carlos e o cartão amarelo para Lúcio Flávio, do Botafogo, aconteceram por quê mesmo? Uma cotovelada no adversário, em geral, é jogada para cartão vermelho – a não ser, claro, que o autor se chame Souza e vista uma camisa rubro-negra, e a vítima for um goleiro uruguaio (aliás, a xenofobia dos árbitros brasileiros é outro tema que mereceria longa discussão; Valdivia que o diga). Eu poderia listar outros exemplos.

Um árbitro que permanecerá inomeado uma vez me disse: “Idelber, se você quer prejudicar uma equipe, não espere as jogadas decisivas na área. Trave-a no meio-campo”. Assistam o VT da partida e vejam essa regra em ação. O pior é que ela não foi suficiente. O juiz roubou no meio-campo e roubou na área. O Botafogo foi imensamente superior ao Flamengo? Não, não foi. Poderia ter perdido na bola? Poderia. Desequilibrou-se emocionalmente a partir de um certo momento? Sem dúvida. Mas nada justifica a bandidagem. O impressionante no Brasil é que mesmo os melhores e mais honestos cronistas observam essas coisas e acham tudo normal. Não deve ser coincidência que, nos campeonatos cariocas, o time sistematicamente roubado seja justo aquele que é (ou era) dirigido por um ser humano íntegro, não cúmplice dos bandidos da Federação de Futebol do Estado do Rio – ainda que, nas competições nacionais, e especialmente contra mineiros e gaúchos, essa mesma equipe seja auxiliada pelas arbitragens.

Alguém em sã consciência é capaz de dizer que o pênalti que sofreu Tinga, do Internacional, no jogo contra o Corinthians que poderia ter decidido o Brasileirão de 2005, não teria sido marcado caso a sua camisa vermelha tivesse um par de listras horizontais negras? É frustrante, porque os flamenguistas (e, em menor medida, os corinthianos) já se acostumaram a ganhar dessa forma. Mesmo gente instruída e sensata se recusa a discutir o tema, não entendendo que o futebol brasileiro é um patrimônio do país, destruído e pisoteado cada vez que isso acontece. O problema transcende o esporte. É um roubo contra o consumidor, numa esfera que movimenta muito dinheiro e tem enorme significação simbólica para o Brasil, dentro e fora de suas fronteiras. Cada rubro-negro que repete "é choro de perdedor" quando acontecem esses escândalos, me desculpe, é um cúmplice do crime organizado.

Esta semana, chegou a notícia de que a Nike assinou um contrato de patrocínio com a seleção francesa por um valor cinco vezes maior que aquele destinado à seleção brasileira. Eu pergunto: em qual bolsa de apostas da galáxia a seleção francesa vale cinco vezes mais que a brasileira? Ou será que o valor oficial não é o efetivamente pago à CBF? Aliás, eu entendo que o Banco do Brasil patrocine a seleção de voleibol. Trata-se da seleção brasileira de vôlei. Alguém poderia me explicar porque a Petrobras, uma empresa estatal sem concorrência no país, patrocina o Flamengo?

domingo, 24 de fevereiro de 2008

O nome dele é Marcelo de Lima Henrique - 6

Meu camarada Lucas Maia, do blog Matéria de Gaveta, não é botafoguense, mas também não é fanático. Viu o jogo com isenção. O texto diz tudo. Por que erram sempre contra o Botafogo? E não é uma reclamação isolada. Todos os programas esportivos estão discutindo o assunto.

Vencidos
Matéria de Gaveta

Mais uma vez um resultado vexatório aniquila a esperança de que o bom futebol prevaleça frente a cartolagem que cisma em arrasar com o charme e o respeito que antes existia no Campeonato Carioca.

Sem querer entrar em méritos de Botafogo ou Flamengo, o jogo mostrou que apesar dos apelos de que sejam respeitados os direitos do torcedor, nada foi feito para que isso de fato acontecesse.

Não julgo o lance do pênalti, convertido com méritos pelo Flamengo, mas a falta de critério de um árbitro que não soube respeitar a paixão de milhares de torcedores que se faziam presentes com a esperança de que vissem nesse jogo, e precisamente nesse jogo, um resultado justo, vencido no campo, como honraram por muitas vezes jogadores que vestiram as camisas dos dois clubes a tempos atrás, neste mesmo estádio.

O Rio de Janeiro, e falo isso por ser administrador de um blog que trata exclusivamente dos assuntos do estado fluminense, corre sério risco de cair no ostracismo esportivo. O Campeonato Carioca hoje chora não a perda de um título, mas a derrota moral de corações e mentes.

Lucas Maia @ Fevereiro 24, 2008

O nome dele é Marcelo de Lima Henrique - 5

Não sou eu que estou dizendo. O Gerson Canhotinha acabou de falar na Rádio Globo sobre o pênalti do Angelim no Renato Silva. Mas aí é contra o Flamengo e eles não vêem. E a bola atrasada do Leo Moura no início do jogo? E a falta inexistente a favor do mesmo leo Moura no fim do segundo tempo? Até o Arnaldo César Coelho, da TV GLOBO, admitiu. Por que os erros são sempre em favor do Flamengo? Quando o Fla vai ganhar um título de forma honesta, sem ajuda de juízes e bandeirinhas?
Que coisa feia!

O nome dele é Marcelo de Lima Henrique - 4


Até o Cuca perdeu a cabeça. Será que esse Marcelo de Lima Henrique vai dormir tranqüilo hoje? Que vergonha! Mais um título roubado.

O nome dele é Marcelo de Lima Henrique - 3


Pra recortar e guardar a foto do herói do título roubado do Flamengo. Mais um.

O nome dele é Marcelo de Lima Henrique - 2


O Atlético Mineiro também reclamou desse sujeito que favoreceu o Flamengo. Pelo jeito vive errando. São fatos. Não é apenas choro.

O nome dele é Marcelo de Lima Henrique


Pois é. Não foi a primeira vez que esse árbitro fez cagada. Até o Leão já tinha reclamado desse sujeito. Por que as marcações são sempre a favor do Flamengo?

Fica Bebeto

Chega de roubo! Uma vergonha. Fica Bebeto.

É todo dia é todo ano

E mais uma vez o time da FlaGlobo ganha um título com a ajuda do juiz. Um pênalti inventado, duas expulsões de jogadores importantes do Botafogo contra a de um botinudo da FlaGlobo, faltas invertidas, pouco tempo de acréscimo. E uma bolinha na trave no último minuto. Conta com a ajuda do juiz e ainda caga.
Nada mudou. É sempre assim.

sábado, 23 de fevereiro de 2008

Sem fanatismo 2


A Época também não entrou na histeria fanática da Veja. Ver posts abaixo.

Sem fanatismo


Eis a diferença entre a Esquerda e a Direita. Enquanto a Veja escrota traz uma capa tendenciosa, a Carta Capital publica uma capa isenta. O fanatismo é muito perigoso. Sou contra preconceitos.

Veja escrota




Tava na cara que a revista mais escrota do Brasil viria com uma capa suja. É lamentável o que estão fazendo com essa revista. O fanatismo e a baixaria política não têm mais limites nesse panfleto de Direita. E seus vassalos doentes e tendenciosos estão exultantes. Dá nojo. Jornalismo da pior qualidade.

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2008

Roberto Jefferson falando em dignidade! Chamem o ladrão


Deu na coluna da MÔnica Bergamo hoje, na Folha. Como cidadão honrado e trabalhador, que nunca viu 4 milhões de reais na frente, me sinto agredido. Até quando esse debochado vai continuar a curtir com a cara do povo? E ainda usa o reizinho FHC!

Par de jarras


E a estilista trapalhona que vendeu vestidos iguais para a Adriana Galisteu e para a atriz Taís Araújo? Deve ter sido demitida pelas duas. Está na coluna da Mônica Bergamo, na Folha de hoje.

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2008

Viva Fidel! Querem acabar com Cuba

Um amigo meu "imperialista" e "americanizado" mandou:

"A Era do Comandante acabou!!!
Agora chegarão Coca-Cola, McDonald's, Wal-Mart, Kinoplex, Best Buy, Nokia, Internet, Google, calça jeans, caneta Bic, xerox e outras modernidades à ilha...."

Esqueceu da sífilis, da miséria, da fome, da marginalidade e todos os demais "BENS" do Capitalismo Selvagem.
Viva Fidel!

10 efeitos das drogas

Botafogo favorito no Carioca 2008


O Instituto Datablogpc já registra mais de 200 votos e o Glorioso continua favorito ao título. O Flamengo vem em segundo e Vasco e Flu dividem a lanterna. Se não houver roubo no domingo, dá Fogão na Taça Guanabara.

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2008

Só tenho medo do juiz e do bandeirinha


Só espero que o jogo de domingo seja limpo, sem aquelas porcarias e sujeiras que costumam acontecer em jogos a favor do Flamengo. Nada de expulsar goleiro, invalidar gols legítimos, expulsar artilheiros, ignorar faltas na entrada da área etc.

domingo, 17 de fevereiro de 2008

E tome créu no Fluzinho - 2


E a foto do gol de Wellington Paulista contra o time do falastrão Renato Gaúcho?! É do "experiente" Eurico Dantas, de O Globo.

Guti e o beijo na boca


E as fotos do Guti, do Real Madri, beijando outro homem na boca?! E no Dia dos Namorados! Sei não. No Grajaú isso tem nome. E ainda dá sapinho.

A baranga do Beckham


E a foto da mulher do Beckham publicada na coluna "Gente Boa" do Joaquim Ferreira dos Santos? Não é à toa que ela está sempre usando óculos escuros e mostrando o mamá e as pernocas. Pitanguy nela!

E na do FHC? Nada?

Carta de um leitor publicada hoje na Folha de S. Paulo sobre as eternas mordomias do Fernando Henrique Cardoso.

Jornalismo seletivo
"Será que a Folha só publicou textos sobre os gastos suspeitos do governo Serra com os cartões corporativos para iludir o eleitor de sua imparcialidade? Lanço um desafio: por que não perguntar para FHC, que tem direito ao cartão corporativo federal como ex- presidente, como o segurança dele conseguiu gastar o equivalente a quatro tanques de gasolina em um dia? Ou será que a saga investigativa só vale para o governo Lula? Tenho convicção de que, se os grandes jornais e a TV Globo insistirem nesse jornalismo decadente, sem ética e partidarizado, sofrerão perdas ainda maiores do que já estão sofrendo. Felizmente, eu e milhares de brasileiros temos a internet para termos acesso a informação isenta, que infelizmente não vemos mais nesses grandes meios. O monopólio da informação já não está em suas mãos, felizmente para a grande maioria do povo brasileiro, sempre manipulada."
CESAR RICARDO PARAFATTI (Indaiatuba, SP)

A viúva é boa?


Meu camarada Tiburcio manda a colaboração.

E tome créu no Fluzinho



Este blog não gosta de funk e de modismo, mas adorou ver a vitória do melhor time sobre o time de falastrões. Thiago Neves, que ainda tem muito o que aprender como jogador de futebol, e Renato Gaúcho, que não vai aprender nunca como técnico, falaram muito durante a semana. E continuam desmerecendo a vitória do Glorioso contra o "badalado" timinho. É só ler os jornais de hoje. Só falam que o Flu bobeou, que errou etc; mas não reconhecem o mérito do Botafogo. O Fluminense aliciou Dodô, Leandro Amaral e Conca e se deu mal. Quem manda no clube é o patrocinador. Renato Gaúcho é treinador de time pequeno. Não estuda, não tem preparo e acha quer pode conseguir as coisas no grito. Que fique no Flu.
Ri melhor quem ri por último.
FOGOOOOOOO!!!!!!

Que belas fotos publicadas no Globo e no Lance. Dizem tudo.

Anti-petista ou anti-petista?


Escrevi em um post abaixo a palavra "anti-petista". Nosso camarada João corrigiu: é "antipetista". Há controvérsias. Com a palavra, os entendidos. Tanto os que são contra quanto os que são a favor.

sábado, 16 de fevereiro de 2008

Cuca créu no Renato Gaúcho


Que vitória! Pra calar a boca dos deslumbrados tricolores. E que Renato gaúcho continue no Flu. O cara é muito fraco. O time não tem esquema de jogo. E o deslumbrado ficou putinho ao ouvir isso de um repórter. Mais uma vez os torcedores do Flu vão ver uma final carioca pela tv. E não precisamos de ajuda de juiz e bandeirinha como costuma acontecer com os outros times. Ganhamos na bola.

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2008

Respeite os vagabundos, Roberto Jefferson


Esse sujeito desqualificado e dedo-duro não toma jeito. Agora ataca os vagabundos. É um tremendo cara-de-pau! Cadê a Receita Federal que não se pronuncia? Ler sobre esse sujeito faz a vida da gente ser mais feia. Desacredita as instituições do país.

Você pagou com traição a quem sempre lhe deu a mão. Só estou preocupado com o juiz

O Fluminense, clube de pouca expressão internacional, aliciou meio mundo e formou um time de traíras. Vide Dodô, Leandro Amaral e Conca, que saíram pela porta dos fundos de Botafogo e Fluminense. E é dirigido por um treineiro fraco, inexperiente e sem criatividade, que vive de criar polêmicas para abrir espaço na Imprensa. Só me preocupa é o juiz do jogo de sábado. É só relembrar os últimos jogos entre o Glorioso e o pó-de-arroz pra me dar razão. Djalma Bertrami e Hilton Moutinho que o digam!

Tolerância zero: contra fumantes em restaurantes



Fui ver o filme "O caçador de pipas". Gostei. E fui bem longe, pra fugir dos ruminadores de pipocas e outras guloseimas mais. Mesmo assim não consegui. Equilibrados em seus baldes assassinos, suas latinhas de refris e celulares com capa de onça eles invadem até cinemas menos "americanóides" como aqueles três cineminhas do Rio Barra Design. Chato também esse negócio de lugar marcado. Fica todo mundo colado um no outro.

Mas, vida que segue...

Quase segue.

Ao sair do cinema, fomos, eu e minha senhôra (ela vai me matar), esticar no Fiametta. Adoro tudo lá. Até a rima. Como ainda estávamos com o corpo gelado, devido ao potente ar do cinema, sentamos do lado de fora. Restaurante vazio, muitas mesas, mas não é que três malas fumantes resolveram sentar justamente ao nosso lado e fazer revesamento de fumaça. Pombas! Trabalhei na Souza Cruz, já fui fumante, mas nunca fui estúpido. Por que fumante nunca fuma quando está comendo? Só fuma quando os OUTROS estão comendo. Um dia ainda dou uma de Dustin Hoffman (ou foi o Al Pacino?) e tenho o meu Dia de Fúria.

Já sei, já sei: os fumantes vão dizer que é patrulhamento.

domingo, 10 de fevereiro de 2008

PM só faz m?


A foto foi publicada no blog "Repórter de crime", de Jorge Antonio Barros. Mostra o secretário de Segurança, José Mariano Beltrame, cumprimentando uma das mães que participaram da missa de um ano em memória do menino João Hélio, ocorrida na Igreja da Candelária. Regina Célia da Rocha Maia é mãe de um jovem que foi morto pela PM, confundido com seqüestrador, em 2005. Por isso estampou sua crítica nas costas da camiseta.

É claro que há bons profissionais na corporação, mas quem anda nas ruas e já foi parado naquelas famosas blitzen sabe bem que as críticas são justas.

Leitor da Folha leu o mesmo jornal que eu li

Republiquei ontem (abaixo) um texto do Fernando de Barros e Silva, colunista da Folha, destacando a isenção política dele, em contraponto a outros jornalistas, da própria Folha, que demonstram uma histeria anti-petista ou anti-Lula. A seção de cartas da Folha de hoje publica texto de um leitor que teve a mesma visão que eu tive. Jornalista pode - e deve - ser objetivo, mas, quando representa um jornal, tem que ser isento e ver os dois lados. Se não, tem que assumir a sua paixão. Viu Clóvis Rossi?

"Gostaria de parabenizar o jornalista Fernando de Barros e Silva pela sua postura íntegra, isenta e profissional como colunista da Folha. Infelizmente vivemos um momento de rebuliço quanto ao que seja jornalismo diante da explosão dos blogs ditos jornalísticos, mas que em sua essência são puro mimetismo da militância A ou B. É péssimo para o verdadeiro jornalismo qualquer aproximação com o que possa ser chamado de blog, principalmente os que de alguma forma estão ideologicamente alinhados aos principais partidos, PT e PSDB."
JAIRO SANTOS AQUINO (Vitória, ES)

sábado, 9 de fevereiro de 2008

PT e PSDB são iguais?

O DEM não existe. É o partido que vem da sustentação da Ditadura Militar e não tem moral para cobrar nada. É o partido da família ACM. Já foi Arena, PDS, PFL e coisas do gênero. Aquele Agripino Maia que costuma falar na tv é um mala. Eita voz chata! E cara de mané. Com todo o respeito aos manés.

Já o PT está cada vez mais parecido com o PSDB. O caso dos cartões é típico. O artigo de Fernando de Barros e Silva publicado hoje na Folha mostra bem isso. Fernando não tem aquela histeria anti-petista demonstrada por muitos jornalistas, inclusive pelo titular do espaço, Clóvis Rossi. Vale a pena ler.

0 x 0
FERNANDO DE BARROS E SILVA

SÃO PAULO - PT e PSDB dividem e disputam a hegemonia política do país há muitos anos. Isso não é novidade para ninguém. Foi na eleição de 1994 que os partidos se consolidaram como pólos do jogo democrático. Tudo indica que em 2010 continuará sendo assim -embora, sem Lula, Ciro Gomes possa romper a monotonia dessa gangorra.
Fernando Henrique, que ao longo da vida -como intelectual e político- viu coisas importantes antes dos outros, disse certa vez que PT e PSDB competiam para ser a locomotiva das forças do atraso no processo de modernização do país.

É verdade. Resta saber o que exatamente resultou das alianças políticas firmadas e dos compromissos assumidos por tucanos e petistas. Ou quanto eles próprios revelaram ser identificados com o atraso que prometiam combater. Não é um jogo muito bonito e deve acabar 0 x 0. A história fará melhor balanço.

O fato é que tucanos e petistas, como lembrou Elio Gaspari, se parecem no essencial. Mais, talvez, do que gostariam. Convergiram para o centro, tornaram-se pragmáticos e cínicos no exercício do poder.

O efeito dessa hegemonia tucano-petista sobre o pensamento crítico foi devastador. Quantos radicais do nada, quantos Fla x Flus imaginários! Mas tudo sempre pode piorar. Em termos de degradação moral e miséria intelectual, nada supera hoje certos blogs politicamente aparelhados por PT e PSDB.

Farei como falou um dia Demétrio Magnoli: não direi seus nomes, assim como não jogo lixo na rua. O pequeno dândi que serve a Lula e o grasnador a serviço do serrismo são, no fundo, a mesma pessoa. Um não existe sem o outro. Funcionam, além disso, como seitas virtuais, mobilizando um restrito grupo de seguidores ruidosos que costuma mimetizar até jargões e cacoetes ofensivos dos gurus. É lamentável.
No caldeirão fervilhante desse parajornalismo rebaixado, é impossível discernir o que é engajamento, o que é negócio e o que é só lobby de si mesmo. PT e PSDB -tudo a ver.

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2008

O Vasco (de Eurico) é o time das mutretas



Deu no Lancenet. Cadê a ética? No Vasco de Eurico isso não existe.

Supervisor do Vasco dá ordens no Duque de Caxias
Prefeito confirma o 'poder' de agente cruzmaltino no clube da Baixada

Legenda da foto: na segunda-feira de carnaval, Nilson Gonçalves, de azul, estava no treino do Duque de Caxias (Crédito: Lancepress!)

Um fato no mínimo inusitado ocorre nos bastidores do Campeonato Estadual. O cenário é o Duque de Caxias. É normal membros da comissão técnica darem bronca no vestiário, participarem do planejamento e, até, sugerirem a demissão de jogadores. Mas, no clube da Baixada, quem tem forte influência é o supervisor de futebol de um outro clube da mesma divisão: Nilson Gonçalves, do Vasco da Gama.

O prefeito de Duque de Caxias, Washington Reis, ajuda financeiramente o clube – a prefeitura é um dos patrocinadores – e deixou claro que recebe constantemente o apoio do supervisor vascaíno.

– Sempre pedimos a gentileza de Nilson antes de tomarmos as decisões. Ele tem muita experiência. Indica jogadores, dá orientações. E, quando jogadores não são aproveitados no Vasco, ele indica para o Duque de Caxias, por se tratar de um clube de futuro – disse o prefeito.

Sobre a relação dos atletas e funcionários do Duque de Caxias com Nilson, Reis deixou escapar que o supervisor de futebol do Vasco não é unanimidade. Perguntado se Nilson corta jogadores, confirmou:

– É lógico. Futebol é igual a qualquer outra atividade. Há os que cobram e os que são cobrados. Certas decisões são interpretadas como antipáticas. Ninguém quer ser cortado, mandado embora – completou o político, que deixou claro que o supervisor vascaíno não é um funcionário contratado pelo Duque de Caxias.

Quem também falou sobre a participação de Nilson no planejamento do clube da Baixada foi Manoel Neto, que deixou o cargo de treinador da equipe após a goleada por 5 a 1 para o Flamengo, em 27 de janeiro. Segundo ele, Nilson ajuda até financeiramente e a decisão com relação ao apoio partiu do presidente interino do Vasco, Eurico Miranda:

– O doutor Eurico deixou Nilson Gonçalves encarregado de apoiar o Duque de Caxias pela amizade que tem com todos na cidade. Ele disse para Nilson ajudar até com relação a jogadores. Tanto é que tem quatro lá (o apoiador Madson, o zagueiro Daniel e o lateral-direito Eduardo).

Os funcionários do Vasco diariamente não falam com a reportagem do L!. Mesmo assim, houve a tentativa de contato com Nilson Gonçalves, que não retornou as ligações.

Renato Gaúcho - pra sempre - no Flu


E o Renato Gaúcho? O cara se acha. Não consegue ajustar o ataque do Flu com os dois traíras e o veterano Washington e acha que é técnico de ponta. Agora acaba de dizer que não aceita interferência de dirigentes no seu trabalho. Alguém acredita que Eurico Miranda (argh!) não obrigava o fraco treineiro a escalar o veterano Romário? Os três se merecem.
Fica no Flu, Renato.

Romário no Fla - de novo


Estou adorando essa notícia da volta de Romário ao Fla. Por mim, passava mais uns 10 anos jogando no Fla, no Vasco e no Flu. No meu Botafogo jamais. Há quanto tempo esse cara não ganha um título? Em compensação sempre causa confusão e trairagens por onde passa. Já fez isso com meio mundo.
Volta pro Fla, Romário!